NewsLetter
[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Porque correr contra o relógio é diferente de contra humanos

Telegram Whats Twitter Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens
segunda-feira, 12 de abril de 2021 - 18:24
runners racingHá um ano atrás, quando a ideia de uma "corrida virtual" parecia mais um conceito novo do que uma piada de mau gosto, escrevi sobre um estudo que explorou as diferenças psicológicas entre os contrarrelógios solos e as corridas frente a frente. Uma observação importante: o esforço (se parecia fácil ou difícil) era o mesmo em ambas as situações, mas as reações (se parecia bom ou ruim) era muito diferente. O poder de correr com outras pessoas é que isso pode fazer com que o esforço seja bom ou, pelo menos, menos ruim.

Agora, a mesma equipe de pesquisa, liderada por Everton do Carmo, do Centro Universitário Senac, no Brasil, tem um novo estudo no European Journal of Sport Science que se aprofunda mais no assunto e, especificamente, na questão de metas. Qualquer pessoa que já assistiu aos jogos táticos de gato e rato em corridas de meia distância nas Olimpíadas sabe que tentar vencer e correr rápido produzem estilos de corrida muito diferentes. E também há uma grande diferença entre competir com um oponente mais forte e com um mais fraco. À medida que você adiciona mais e mais variáveis à mistura, a psicologia do ritmo fica muito complicada - e padrões interessantes surgem.

O novo estudo colocou 13 ciclistas do sexo masculino em uma série de provas de 10 km em uma configuração de realidade virtual ao longo de algumas semanas. Eles fizeram duas provas de tempo solo em torno de um velódromo virtual de 250 metros e duas corridas frente a frente contra um oponente virtual. Em um caso, o oponente foi programado para ir exatamente seis por cento mais rápido do que o melhor contrarrelógio solo do participante. No outro caso, eles foram exatamente três por cento mais lentos. Além de medir o desempenho, os pesquisadores questionaram os indivíduos uma vez a cada quilômetro sobre um conjunto de variáveis psicológicas: esforço percebido, afeto e auto eficácia, que é essencialmente o grau em que você acredita que pode atingir com sucesso uma meta de desempenho.

O resultado principal é um pouco confuso: os sujeitos gravaram tempos praticamente idênticos, em média, nas três condições. Isso entra em conflito com o estudo sobre o qual escrevi no ano passado, no qual os corredores foram mais rápido na competição do que sozinhos. Também entra em conflito com vários outros estudos e com a experiência vivida pela grande maioria dos atletas de resistência (embora nem todos, como ouvi da última vez que escrevi sobre este assunto!). É muito provável que a razão seja que as lacunas de desempenho eram muito grandes: o oponente rápido era impossível de vencer e o oponente lento não era um desafio. Existem algumas evidências anteriores para isso: vários estudos descobriram que competir contra um "eu" virtual que vai dois por cento mais rápido melhora o desempenho, mas competir contra um oponente cinco por cento mais rápido não melhora.

Ainda assim, apesar dos tempos de chegada semelhantes, houve algumas diferenças notáveis em como eles chegaram lá. Para começar, embora o padrão geral de ritmo (início rápido, meio lento, final rápido) fosse consistente, competir contra um oponente levava a um início mais rápido. Aqui está a aparência do padrão de ritmo para o contrarrelógio solo (TT), correr contra o oponente mais lento (SLOW) e correr contra o oponente mais rápido (RÁPIDO):


(Ilustração: European Journal of Sport Science)

De maneira geral, parece que os competidores frente a frente aumentaram sua potência em cerca de seis por cento (~ 330 vs. 310 watts) no primeiro quilômetro. Isso faz sentido quando você está indo contra um oponente que está (sem você saber) indo seis por cento mais rápido do que seu ritmo normal. Entretanto, é surpreendente que a mesma coisa ocorra contra um oponente mais lento. Em vez de um ajuste racional de velocidade para corresponder ao oponente, isso parece mais uma resposta automática ao desafio de tentar vencer alguém: a energia competitiva superando os habituais instintos de ritmo baseado no tempo.

Isso traz à mente o relatório do fórum da Letsrun que informa que um corredor do estado de Youngstown chamado Chase Easterling correu a primeira milha dos campeonatos de cross-country da NCAA no início deste mês em um empolgante 4:38 (N. T: 2:55 minutos/km), mas estava em último lugar entre os 255 participantes naquele ponto na prova. É difícil imaginar que esse ritmo fosse ideal para mais do que um punhado de corredores na disputa. Claro, você tem que pesar isso contra a realidade de que o posicionamento é importante quando você está amontoando 255 pessoas em uma série de caminhos e trilhas estreitas. As decisões de ritmo não ocorrem no vácuo - mas mesmo nos confins estéreis do laboratório, a perspectiva de competir contra alguém parece nos estimular a sair com tudo desde a linha de partida.

Há um outro detalhe interessante nos dados de ritmo acima. Observe o décimo e último quilômetro, na extrema direita. Como esperado, os participantes aceleram à medida que o final da prova se aproxima. Nas provas de confronto direto, o sprint final é muito menos pronunciado, talvez porque eles estejam pagando por seu início agressivo. Contra o adversário mais lento, onde o objetivo principal era vencer, podia ser que nenhum sprint de finalização fosse necessário porque os sujeitos já estavam bem à frente. Mas, contra o adversário rápido, o quilômetro final é na verdade mais lento que o anterior. Isso é um sinal de que começar rápido e tentar desesperadamente acompanhar um oponente mais rápido levou os indivíduos ao seu limite absoluto, não deixando nada para um sprint final? Não exatamente. Dê uma olhada nos dados sobre a classificação de esforço percebido (RPE, em uma escala de 6 a 20), que sobe continuamente de um esforço inicial relativamente leve para um final próximo ao máximo:


(Ilustração: European Journal of Sport Science)

Nos três quilômetros finais, você pode ver o nível de esforço na prova contra o oponente mais rápido começar a diminuir. A diferença não é estatisticamente significativa, mas parece que nos últimos quilômetros fica claro que eles não vão alcançar seu adversário inesperadamente forte. Eles sabem que vão perder, e o esforço um pouco menor que estão dispostos a fazer reflete essa compreensão. É por isso que a potência cai no quilômetro final.

Você pode pensar que eles estão relaxando perto do fim porque não estão mais se divertindo. No estudo que escrevi sobre o ano passado, as emoções - a sensação de sentimentos positivos ou negativos â€" declinaram continuamente quando o corredor competia sozinho, mas permaneceram estáveis quando competia em grupo. Nesse caso, porém, o afeto declinou a uma taxa semelhante nos três grupos. Correr ou andar de bicicleta em grupo pode ser agradável, mas ser detonado em um duelo um-contra-um, mesmo por um oponente virtual, não parece provocar os mesmos sentimentos felizes. A maior queda no efeito foi na prova do grupo que correu contra um oponente mais rápido, mas as diferenças em comparação com competir sozinho ou contra um oponente mais lento não eram enormes: o efeito não era o causador da diferença.

Há uma última variável: auto eficácia. O quão confiante você está em sua capacidade de concluir a tarefa e atingir seu objetivo? No início da corrida, todos se sentem muito bem com suas chances. Mas quando você começa a competir com alguém seis por cento mais rápido do que seu melhor anterior, é difícil manter o queixo erguido. Aqui estão os dados de auto eficácia:


(Ilustração: European Journal of Sport Science)

É um pouco complicado separar o ovo e a galinha aqui. Supõe-se que a alta auto eficácia seja benéfica para o desempenho. Entretanto, neste caso, o declínio constante da auto eficácia do grupo que correu contra o oponente rápido parece apenas um reconhecimento racional da realidade. Em algum ponto, insistir "Sim, eu posso vencer aquele cara"muda do otimismo para a ilusão.

As conclusões aqui não são simples, o que, talvez, seja o ponto. Em artigos anteriores, destaquei o papel do esforço percebido como o "interruptor mestre" que controla o desempenho de resistência e dita o ritmo que você pode manter. Isso pode ser verdade no laboratório, onde outras variáveis são cuidadosamente controladas. Mas no mundo real, seu ritmo será afetado pela situação, pela presença e ações de outras pessoas e pelas metas que você estabeleceu para si mesmo naquele dia.

Perguntei ao pesquisador da Universidade de Worcester Andy Renfree, um coautor do novo estudo, o que tirou dele. "Meu sentimento pessoal é que tudo decorre do estabelecimento de metas", respondeu ele, "mas, destrinchar as relações entre EPR [ou seja, esforço], afeto e auto eficácia é muito complicado". Nas palavras de um de seus colegas, ele acrescentou: "é como tricotar com espaguete". Sem dúvida, isso é verdade, mas acho que podemos extrair algumas linhas de raciocínio úteis de estudos como este. As provas de participação em massa estão em algum lugar no horizonte, e quando elas chegarem, tente não mostrar seu entusiasmo correndo a primeira milha em 4:38. Tente vencer alguém que seja 2% mais rápido do que você. E, se possível, aproveite.
Traduzido do site OutSideOnLine.com

Fonte: OutsideOnline.com

Leia mais sobre: prova

Comentários

Quer comentar? Clique aqui para o login.
Copyright © Marcelo Coelho