Coelho Dizeres Computador
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Um susto e um pedido



sexta-feira, 15 de março de 2013 - 12:46
Susto!Dei sequência ontem à revisão dos 44 mil, com o teste de esforço e a ecografia do coração. Fui pra lá todo pimpão, achando que ia tirar a maior onda. "Se quando eu fumava, a máquina nunca rateou, não vai ser agora que parei e comecei a praticar exercício que ela vai falhar", eu pensei.

Antes de subir na esteira (blergh!), rolou aquela fase de preparação, com o álcool no peito, onde vão ser fixados os eletrodos e feito uma eco, e no pescoço, onde seria feita a outra eco (das veias sei-lá-o-que do coração).

Daí a moça me chamou pra ir pra esteira. Vamos lá! Dez minutos depois acaba o teste e logo eu recebo o resultado: VO2 máximo (quantidade de oxigênio que o organismo pode absorver, transportar e consumir por unidade de tempo, ou seja, a grosso modo, é a capacidade aeróbica) aparentemente muito bom, aptidão cardiorrespiratória excelente (isso tá escrito no exame, hehehe). Tudo ia muito bem. Ia.

Uma das moças me entrega um papel com o "outro resultado", o das ecografias. "Mas peraí, eu não fiz as ecos ainda", eu disse. Ela se limitou a sorrir meio sem graça pra mim, enquanto uma outra, bonitinha mas com uma cara de quem mija Channel nro 5 ao invés de xixi, ria abertamente, como quem diz: "Coitado, chegou nem aos 50 e já tá bronco". Eu, procurando manter a humildade, pensei: "Bom, vai ver que junto com aquela gaze com álcool tinha o instrumento que faz a eco. Se elas falaram com essa certeza, eu devo estar errado". Fui então à consulta com a cardiologista, Dra Rosália, pra avaliação dos testes.

Quando ela olhou o resultado das ecografias, aparentou um ar meio preocupado e falou: "Apareceu uma discreta obstrução na artéria blá-blá". A partir desse segundo, eu não ouvi mais nada, mas ainda pensei: "Bom, com certeza dá pra reverter com o exercício" e falei isso com ela. Ela virou-se pra mim e me meteu outra lapada: "Dá pra conter, mas não reverter. Vou receitar um remedinho para o senhor, que o senhor terá que tomar pro resto da vida". "Putz, não acredito, eu nunca tive nada enquanto fumante, vou ter agora que parei e estou me exercitando? Qual a lição? O que preciso aprender?". Não contente com isso, ela ainda virou para mim e disse: "Que estranho uma pessoa nova como o senhor apresentar essa alteração mesmo que discreta"...

Desci e como estava numa fome desgraçada, parei pra lanchar. Tentei ligar pra Carla, mas o celular dela deu creca. Quando estava acabando de lanchar, me liga uma pessoa com voz esbaforida: "Seu Marcelo, aqui é da Clínica Cardio". Antes dela completar a frase, eu já sabia que ela ia me mandar voltar. Não deu outra: "Nós trocamos por engano o seu resultado. O senhor tinha razão, o senhor não fez as ecografias". Voltei do Inferno ao Céu novamente! Quando cheguei lá, constatei que a menina tava com o estoque de Channel na veia baixo e voltou a mijar xixi como o resto dos mortais. Contou-me, agora com a maior educação, o que aconteceu:

"Um senhor de 81 anos fez a ecografia no seu lugar. Por engano, chamamos o senhor pra fazer a ecografia bem na hora em que o senhor estava na esteira e este senhor de 81 anos respondeu no seu lugar. Perguntamos se ele era o 'Sr Marcelo'. Ele aparentemente não escutava direito, mas respondeu: 'Sim!'. O seu diagnóstico, era, na verdade, o do senhor de 81 anos! Desculpe-nos pelo nosso erro!"

Já cometi tantos pecados nessa vida, Deus há de me perdoar por mais esse, mas eu virei pra ela, dei uma sonora (fiz questão que fosse) gargalhada, olhei bem pra ela e disse: "Pois é, pra você ver, quase todo ser humano comete erros". A guria ficou com uma cara que, Deus me perdoe de novo, mas valeu pelo meu susto... :-)

Final da história: Fiz a ecografia, que pelo laudo está normalíssima, o que vou confirmar na terça, pois como eu era seu último paciente, Dra. Rosália a essas alturas já tinha ido embora.

Não tenho moral nenhuma para pregar o abandono dos vícios, porque fui fumante durante quase 30 anos. Por isso, humildemente eu peço aos meus amigos que deram a mesma sorte que eu dei de até agora não ter tido nenhuma sequela decorrente do fumo e que tentem parar enquanto dá tempo!

Um abraço aos meus dois leitores e vamos ensebar os cambitos no Circuito Adidas no domingo! o/

Fonte: Coelho de Programa

Leia mais sobre: corrida, cigarro, cardiologia, coração

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho