Coelho Dizeres Computador
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Trabalho duro é sempre o melhor caminho!
Compartilhe no WhatsApp Enviar por email Compartilhe no Twitter

quarta-feira, 12 de abril de 2017 - 10:32
CheatingFala, galera! O texto de hoje, apesar de não ser especificamente sobre corrida, foi motivado por dois acontecimentos que abalaram o nosso mundinho: Uma foi o "doping" da queinana Jemima Sumgong, campeã da maratona olímpica do Rio.

O outro foi o caso do Sr. Roberto Diniz, que conheço de uma rede social, que teria trapaceado para ser top 100 em uma meia maratona no Rio, tendo já sido acusado de trapaça numa São Silvestre.

Não vou julgar nenhum dos dois, porque não sou juiz e não tenho conhecimento nem moral pra isso, mas apenas convidar meus dois leitores a uma reflexão.

O primeiro caso, embora triste, até dá pra entender, pois é uma atleta que ganha dinheiro com isso. Mas o segundo é que me intriga: o que leva uma pessoa a fazer isso?

Claro que não é dinheiro, pois pagamos para sofr... digo, disputar essas provas. E pagamos caro. E somos, muitas vezes, mal tratados como clientes.

Claro que não é reconhecimento, pois num primeiro momento ele até vem, mas dura menos que aquela sensação de que a sua panturrilha é de pedra que precede uma corrida longa... mrgreen Lembro-me que na época do caso São Silvestre um outro corredor postou um levantamento numa rede social, inclusive com links para recordes na faixa etária desse sr. (que tem, salvo engano, 62 anos) e ficou a dúvida no ar: Ou ele era ou um fenômeno ou uma fraude. De novo, abstenho-me de julgar, atenho-me aos fatos.

corredor exaustoAlém disso, ainda há outra questão mais difícil de entender, no meu modo de ver: O cara tira foto com a medalha, tira onda com outros corredores, mas lá dentro da sua consciência o cara sabe que não lutou por aquilo, que não treinou duro, não acordou de madrugada pra fazer os treinos, faça chuva ou faça sol. Na minha humilde opinião, é isso e só isso o que dá sabor à conquista.

A coisa não pára por aí. Gente que edita treinos no Strava pra colocar um pace que não fez. Porra (desculpem o palavrão!), qual a graça disso?

Claro que estou longe de ser santo. As provas em que colei no segundo grau que o digam (desculpe, pai, hehehe)... Mas pelo menos na corrida, estou limpo. Nem de pipoca eu vou! mrgreen Minha forma de protesto contra corridas ruins é não ir!

Entretanto, acho a reflexão tão importante (obviamente eu estou incluído!) que deveria se estender a tudo na nossa vida, a coisas ou posições que ganhamos muitas vezes sem merecer.

Quem tem filhos sabe o valor de tentar transmitir bons valores mesmo com o ambiente todo à volta deles política e socialmente infectado: tempos de gente que recebe sem trabalhar (em detrimento de quem sempre paga a conta, muitas vezes trabalhando sem receber ou recebendo menos), gente que quer privilégios ao invés de igualdade de direitos e convenientemente se esquecendo da igualdade de deveres... E por aí vai.

Claro que a meritocracia tem seus problemas e o julgamento de merecimento e valor é sempre complicado, além de quase sempre ser subjetivo, mas saborear uma vitória após ter dado duro para obtê-la é uma das melhores coisas da vida, seja na corrida, em família ou no trabalho. Isso é certo!

Ando pensando muito nisso, ainda mais depois de colocar meus filhos numa evangelização espírita e ver mensagens do Cristo nos convidando a nos regozijarmos no trabalho duro: O reino de Deus tem de ser fundado no coração das criaturas; o trabalho árduo é o meu gozo; o sofrimento o meu cálice; mas, o meu Espírito se ilumina da sagrada certeza da vitória.

Vamos tentar? mrgreen

Abraços e beijos a todos!

Fonte: Coelho de Programa

Leia mais sobre: corrida, doping, trapaça, são silvestre

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho