NewsLetter
[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Por que sorrir melhora sua corrida?
Compartilhe! Telegram Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

quarta-feira, 1 de setembro de 2021 - 13:29
kipchoge smilingNo ano passado, o maratonista Eliud Kipchoge correu 42 km em apenas duas horas e 25 segundos em Monza, Itália, como parte do projeto Breaking2 da Nike. Seu tempo, embora não seja elegível para um recorde, é o tempo de maratona mais rápido já registrado, e o esforço necessário para cronometrá-lo foi, sem dúvida, extenuante. Este ano, ele próprio estabeleceu um novo recorde mundial na Maratona de Berlim, cruzando a linha em 2:01:39. Ainda assim, em ambas as maratonas, Kipchoge nunca deixou a dor transparecer em seu rosto. Na verdade, às vezes parecia que ele estava sorrindo.

Não, ele não estava tentando zombar de seus concorrentes: Kipchoge disse mais tarde aos repórteres que estava sorrindo para relaxar e trabalhar com a dor, empregando uma estratégia que alguns corredores há muito acreditam ser verdadeira: sorrir enquanto corre pode ajudá-lo a correr com mais eficiência.

Considerando o tempo e esforço que dedicamos ao treinamento e ao foco na postura de corrida, é difícil acreditar que algo tão simples como um sorriso poderia ter um efeito tão grande em nosso desempenho, mas a ciência confirma isso. Estudos têm mostrado que, quando melhoramos a qualidade do nosso treino com um sorriso, sentimos que nosso esforço percebido é muito menor que o exercido ao franzirmos a testa. Mas nenhuma pesquisa analisou seriamente o efeito da manipulação de nossas expressões faciais - sorrindo ou carrancudo - na economia de corrida ou esforço percebido durante a corrida - até agora.

Por que os corredores deveriam sorrir mais

Pesquisadores da Ulster University e da Swansea University pediram a um grupo de 24 corredores que usassem uma máscara respiratória para medir o consumo de oxigênio e, em seguida, completassem quatro blocos de corrida de seis minutos em uma esteira enquanto sorriam ou franziam a testa. O estudo, que foi publicado recentemente na revista Psychology of Sport and Exercise, descobriu que corredores que sorriam usavam menos oxigênio, corriam mais economicamente e tinham uma menor taxa de esforço percebida do que aqueles que franziam a testa e os do grupo de controle.

"Eles eram 2,8 por cento mais econômicos quando sorriam do que quando franziam a testa", diz Noel Brick, professor de psicologia do esporte e do exercício na Universidade de Ulster e coautor do estudo. A razão para essa diferença tem a ver com o feedback facial. "Quando fazemos uma expressão facial, podemos experimentar o estado emocional que associamos à expressão", diz Brick. "Associamos o sorriso à felicidade ou ao gozo, estados que nos deixam mais relaxados, por isso, quando sorrimos, procuramos conscientemente relaxar. Ao adotar a expressão facial fechada, no entanto, estamos experimentando um estado emocional de tensão ou menos relaxado".

Embora uma melhoria de 2,8 por cento possa parecer irrelevante, pode se traduzir em uma melhoria de cerca de 2 por cento no tempo de desempenho, diz Brick. Isso significa que se você correr uma maratona em 4:20 ou 4:45 (os tempos médios da maratona para homens e mulheres, respectivamente), você cruzará a linha de chegada cerca de cinco minutos mais rápido, enquanto se correr 10 km em 55 a 64 minutos, você pode economizar um minuto inteiro do seu tempo de corrida. E se você está cronometrando menos de 25 minutos nos 5 km, apenas sorrir pode ajudá-lo a cobrir a mesma distância 30 segundos mais rápido, um resultado significativo para muito pouco esforço e, francamente, muitos motivos para sorrir. "As melhorias em sua economia de corrida serão inicialmente pequenas, mas um corredor relaxado é um corredor eficiente", acrescenta Brick.

Como relaxar sua mandíbula quando você está correndo

Este pequeno truque torna-se especialmente útil para corredores que precisam conservar o máximo de energia possível ao longo de uma corrida de longa distância. "Os corredores tendem a ficar tensos ao manter passos mais altos, especificamente ao contrair a mandíbula, o que, por sua vez, pode impedir que o corredor se beneficie de uma via aérea agradável, relaxada e aberta", diz a treinadora de corrida Meghan Takacs. "Quando um corredor é super-rígido, ele se cansa muito mais rápido". Takacs diz que sua experiência com corredores mostrou a ela que sorrir é a chave porque traz uma mentalidade positiva, e correr é tanto um jogo mental quanto físico.

E acontece que o sorriso nem precisa ser particularmente genuíno. Omar Sultan Haque, psiquiatra e cientista social da Harvard Medical School, nos Estados Unidos, que estuda como as forças biológicas, psicológicas e sociais interagem na saúde e na cura, sugere que você pode fingir até conseguir. "A preocupação em 'fingir' tem dentro de si a suposição de que as emoções sempre ocorrem antes das expressões faciais", diz Haque. "Mas se a expressão muscular do sorriso pode influenciar ou até mesmo causar a sensação de relaxamento, então planejar sorrir para que a pessoa se sinta relaxada não é mais falso do que sorrir como resultado do primeiro sentimento de relaxamento".

Takacs lembra os corredores com quem ela trabalha de relaxar: mantenha os músculos do rosto relaxados, pare de cerrar os dentes e sorria. "Pense nisso como dar ao seu cérebro uma festa de endorfina quando ele precisar", diz ela. "Um sorriso aumenta instantaneamente a positividade, relaxa o corpo e, por sua vez, torna você mais autoconsciente. E quando se trata de correr, a mentalidade e a autoconsciência o levarão muito longe, literalmente."

Embora este estudo seja pequeno, pesquisas anteriores apoiam a noção de sorrir para fazer os esforços parecerem mais fáceis. Um estudo da Escola de Ciências do Esporte, Saúde e Exercício da Universidade de Bangor, no País de Gales, descobriu que sorrir ou franzir a testa é um bom indicador de quão difícil é um esforço.

Portanto, se um grande esforço faz você franzir a testa, o oposto também será verdadeiro: franzir a testa torna o esforço mais difícil, mas sorrir torna o esforço visivelmente mais fácil. "No final das contas, controlar o sorriso mesmo quando não está com vontade é apenas uma questão de treinamento, como cultivar qualquer outro hábito de corrida, e pode até ser mais fácil do que forçar as pernas para correr por causa de uma cãibra", diz Haque. Ele sugere que devemos simplesmente reconsiderar nossas suposições sobre a relação unilateral entre sentir e sorrir. Em vez de acreditar que precisamos canalizar uma emoção como a felicidade antes de sorrir, devemos lembrar que o próprio ato de sorrir pode causar uma emoção ou sentimento. Portanto, nenhuma canalização é necessária, porque a hipótese do feedback facial é verdadeira. Além disso, não há muito a perder em tentar sorrir. Se nada mais, pelo menos você terminará com belas fotos dia da prova.
Traduzido do site RunnersWorld.com

Fonte: RunnersWorld.com

Leia mais sobre: maratona, sorrir

Copyright - Marcelo Coelho