Coelho Dizeres Computador
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

O que é e como usar a sua reserva de velocidade
Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

quinta-feira, 28 de novembro de 2019 - 09:41
runner sprintingO famoso astro britânico de corrida Dave Bedford entrou no Campeonato Europeu de 1971 em Helsinque como o homem a ser batido nos 10.000 metros. Menos de três semanas antes, ele havia batido um recorde europeu de 27:47 para se tornar o segundo homem na história a quebrar 28 minutos, depois de Ron Clarke, da Austrália. Ninguém na linha de partida estava nem perto de ser tão rápido. Bedford tinha apenas uma fraqueza em potencial: como ele não era um velocista muito rápido, ficaria vulnerável se o ritmo inicial fosse muito lento.

Para garantir que isso não acontecesse, Bedford iniciou a corrida em ritmo acelerado, atingindo a marca do meio da prova em 13:54, mais uma vez no caminho para um sub-28. Ele ainda estava na liderança faltando uma volta, mas os problemas estavam começando, com outros cinco homens ainda na disputa. Com 300 metros restantes, os seguidores atacaram, passando por Bedford quase que instantaneamente. O favorito local, Juha Vaatainen, cortou a fita em primeiro com uma impressionante volta final de 53,8 segundos. Todos os cinco finalistas bateram a marca dos 28 minutos, além dos 27:52 de Vaatainen, reescrevendo a lista de todos os tempos. Bedford chegou em sexto.

Há uma obviedade de longa data nos círculos das corridas de resistência: força é velocidade. Nesta visão, os corredores que dão os sprints finais mais rápidos não sóo necessariamente os melhores velocistas, e sim os que têm melhor condicionamento aeróbico, portanto, mais energia para acelerar no final da prova. Como sempre acontece com as obviedades, esta é muito boa, mas nem sempre é certa. Vaatainen era um ex-corredor de 400 metros que já havia chegado à final naquele evento no campeonato finlandês. Bedford, por outro lado, não poderia ter corrido 53.8, mesmo que tivesse simplesmente sentado ao lado da pista por 24 voltas e depois entrado na última volta. Conhecimento de Internet atribui aos seus melhores 400 m algo em torno de 56 segundos. Ele correu "pra valer" desde o início, mas quando a volta final chegou, não havia mais nada que ele pudesse fazer. Às vezes, velocidade é velocidade.

O enigma de Bedford veio à mente no mês passado durante uma palestra no Sport Innovation Summit, uma reunião dos principais cientistas do desempenho esportivo do Canadá. Gareth Sandford, pesquisador britânico atualmente baseado na Universidade da Colúmbia Britânica, apresentou um pouco de seu trabalho sobre "reserva de velocidade", a ideia de que mesmo em eventos com um componente significativo de resistência, a velocidade máxima às vezes pode emergir como um fator limitante. A pesquisa de Sandford, que produziu uma sórie de estudos amplamente discutidos nos últimos meses, concentra-se nos corredores de 800 metros, que ficam na intersecção entre velocidade e resistência. Mas acho que é um conceito que vale a pena considerar, mesmo para atletas mais focados em resistência.

Vamos começar com algumas definições. Sua reserva de velocidade anaeróbica é o intervalo entre sua maior velocidade aeróbica e sua velocidade máxima. Sua velocidade aeróbica máxima é definida como a velocidade em que você atinge seu VO2 máximo, ou capacidade aeróbica máxima, em um teste de laboratório. Como isso é difícil de medir, em seus estudos, Sandford calcula a velocidade a partir de uma fórmula baseada em tempos de corrida de 1.500 metros. Se você não quiser mexer nas conversões, sua velocidade em um contrarrelógio de 2.000 metros fornecerá uma estimativa decente.

Sandford mede a velocidade máxima com um radar durante um sprint de 50 metros. Como alternativa, você pode montar alguns cones marcando os últimos 15 metros de um sprint de 50 metros, ter alguém para marcar sua velocidade entre eles e essa velocidade fornecerá uma estimativa bastante boa do seu máximo. Se você escolher a proporção entre essas duas quantidades, dividindo sua velocidade máxima pela velocidade aeróbica, obterá sua taxa de reserva de velocidade. Sandford usa quilômetros por hora, mas você pode usar as unidades que quiser, desde que ambos os valores na relação usem as mesmas unidades. Na amostra de Sandford de 19 corredores de elite de média distância de cinco continentes diferentes, ele encontrou proporções entre cerca de 1.40 e 1.65.

O interessante de eventos como os 800 m é que você pode ter dois atletas diferentes com melhores tempos muito semelhantes, mas pontos fortes e fracos fisiológicos totalmente diferentes. Donovan Brazier, que correu 1:42 para vencer o Campeonato Mundial deste ano, é um corredor veloz que despertou interesse no início deste ano, quando observou que sua corrida mais longa de todos os tempos foi pouco mais de 13 quilômetros. Em contrapartida, Nick Symmonds corria 115 quilômetros por semana com longões de até 22 quilômetros a caminho do 1:42 que lhe deu o quarto lugar nas Olimpíadas de 2012. O índice de reserva de velocidade oferece uma maneira de quantificar essas diferenças: todos os especialistas em 400 e 800 m (como Brazier) na amostra de Sandford tinham valores acima de 1,58. Todos os especialistas em 800 a 1500 m (como Symmonds) tinham valores abaixo de 1,47. Os especialistas puros em 800 tinham valores na faixa intermediária.

Por que devemos nos preocupar com essas diferenças? Porque atletas como Brazier e Symmonds precisam treinar de maneira muito diferente. Os atletas de velocidade acham os treinos de resistência como o tempo-run, estressantes e de difícil recuperação, por isso precisam de doses menores com menos frequência. Atletas de resistência prosperam e se fortalecem no treinamento de resistência e podem lidar com doses maiores e mais frequentes. Não é difícil ver as diferenças entre os atletas em extremos opostos do espectro, como Brazier e Symmonds, mas isto não é tão óbvio para os atletas mais próximos do meio. A medição da reserva de velocidade fornece aos treinadores uma maneira de formar subgrupos de atletas que podem treinar juntos com sucesso.

Isso não significa que você deve simplesmente aceitar sua reserva de velocidade atual como inevitável. Outra razão pela qual Sandford acredita que o conceito de reserva de velocidade é útil porque destaca a importância da velocidade máxima, que a maioria dos atletas de resistência negligencia completamente. Melhorar sua reserva de velocidade trabalhando explicitamente em sua velocidade máxima pode trazer alguns benefícios diretos se, como Bedford, sua velocidade máxima simplesmente não for rápida o suficiente para corresponder aos ritmos que seus concorrentes atingirão durante uma prova.

Mas também pode ter benefícios indiretos. Enquanto a velocidade aeróbica máxima é um reflexo de sua aptidão cardiorrespiratória, a velocidade máxima de um sprint é uma função da força que você aplica no solo. Você a desenvolve com exercícios como sprints curtos, pliometria e treinamento de resistência pesado. E o resultado não é apenas um sprint melhor, aponta Sandford. As propriedades que melhoram o desempenho do sprint, como tendões mais rígidos, feixes mais longos de fibras musculares e melhor sinalização neuromuscular, também estáo associadas a uma corrida mais eficiente em velocidades mais lentas.

Só escrever essas frases já está fazendo meus tendões doerem. Como muitos atletas focados em resistência, particularmente no nível não pertencente à elite, eu raramente dou um sprint máximo, por isso sou cauteloso com a ideia de medir minha velocidade total. De qualquer forma, um dos resultados mais interessantes da apresentação de Sandford é que ele me forçou a pensar em como não medi-la é absurdo. Eu me identifico como um corredor que vive e respira a corrida... e ainda tenho medo de tentar correr o mais rápido possível. Esse é um indicador bastante revelador de que eu tenho negligenciado essa parte do meu kit de ferramentas - e, como o ás master Pete Magill nos lembra em seu recente livro de treinamento SpeedRunner, ser velho não é desculpa. Provavelmente está na hora de começar a trabalhar na minha reserva de velocidade - antes de descobrir que não tenho mais nada.
Traduzido do site OutsideOnline.com

Fonte: OutSideOnLine.com (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: sprint

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho