Parceiros
[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

11 razões para frequência cardíaca alta em treinos fáceis
Compartilhe! Telegram Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

quarta-feira, 12 de janeiro de 2022 - 11:58
runner heartPor Cindy Kuzma, para o site WomensRunning.com
Esse sentimento de dar tudo de si é uma das principais razões pelas quais muitos de nós corremos. E uma frequência cardíaca alta durante qualquer tipo de exercício não é apenas normal, é necessária. Mas quando está alta, especialmente em uma corrida fácil ou trote, é motivo de preocupação?

à medida que você aumenta seu nível de esforço de uma caminhada para uma corrida e além, seus músculos exigem mais oxigênio para produzir energia. Para chegar lá, seu coração precisa aumentar a quantidade de litros por minuto de sangue rico em oxigênio que ele bombeia através de suas artérias, diz a Dra. Elaine Wan, professora associada de Esther Aboodi em cardiologia e eletrofisiologia cardíaca da University Medical Center, College of Physicians and Surgeons e médica assistente do New York-Presbyterian Hospital.

Esse número é o produto de sua frequência cardíaca e um outro fator: seu volume sistólico ou a quantidade de sangue bombeada em cada batimento. O treino regular pode aumentar o seu volume sistólico ao longo do tempo, mas no momento, a única maneira de seu coração atender às demandas crescentes é acelerar o ritmo.

Corredores regulares tendem a ter frequências cardíacas mais baixas em repouso e em todos os níveis de atividade física, leve, moderado e intenso, diz o Dr. Ruwanthi Titano, cardiologista do Mount Sinai Health System. Na verdade, os corredores costumam passar dos primeiros estágios dos testes de estresse, exames de cardiologia que exigem esforços cada vez maiores na esteira.

Mas às vezes, quando você está tentando correr devagar, sua frequência cardíaca pode parecer que está fora de controle, ou pelo menos, desproporcional ao seu ritmo. Por que isso acontece, quando é um problema e o que os corredores podem fazer a respeito?

Na maioria dos casos, especialmente se você é ativo e saudável em geral, provavelmente não há nada com que se preocupar, diz o Dr. Eli Friedman, diretor médico de cardiologia esportiva do Miami Cardiac & Vascular Institute. Apesar disto, existem algumas bandeiras vermelhas que devem levá-lo a procurar tratamento por um batimento cardíaco acelerado, inclusive quando se trata de outros sintomas, como falta de ar, desconforto no peito, batimentos cardíacos irregulares, náusea, tontura ou desmaio.

Entendendo sua linha de base

Graças à onipresença de relógios inteligentes e outros dispositivos de rastreamento, é fácil ficar obcecado com sua frequência cardíaca e até compará-la com a de seus parceiros de corrida. Resista à tentação: "é muito determinado geneticamente", diz o Dr. Friedman. "A frequência cardíaca de uma pessoa em uma corrida pode ser completamente diferente da de outra pessoa".

Além dos genes, outros fatores desempenham um papel. Em média, os corações das mulheres são menores e precisam bater mais rápido para fornecer oxigênio e outros nutrientes ao corpo, embora o treinamento certamente possa começar a equalizar isso. Sua altura e quantidade de massa muscular também desempenham um papel, assim como seus padrões de respiração.

Outra razão pela qual o Dr. Friedman adverte os corredores contra a obsessão com sua frequência cardíaca: monitores de frequência baseados no pulso não são 100% precisos, especialmente se você tem pele mais escura. Quanto mais você estiver se movendo, menos confiáveis serão os dados. Portanto, há uma chance de uma leitura alta não ser precisa.

Se você estiver usando uma cinta torácica, que monitora diretamente os ritmos elétricos do seu coração, seus números são mais precisos. Mas isso ainda não significa que você deve surtar se eles subirem.

Há muitas razões pelas quais sua frequência cardíaca está elevada em uma determinada corrida. Além disso, muitas são inofensivas e facilmente reversíveis.

Afinal, sua corrida não é tão "fácil".

Quando você está começando a correr ou voltando depois de uma pausa, qualquer aumento na intensidade estimula o que é chamado de sistema nervoso simpático. Esse é o ramo responsável pela reação de "lutar ou fugir", a onda de adrenalina que eleva a pressão arterial, a frequência cardíaca e a respiração, entre outras mudanças, diz o Dr. Titano.

Com o tempo, seu corpo começa a se adaptar à tensão do treinamento, diminuindo a carga sobre o sistema cardiovascular. Músculos mais fortes fazem um trabalho melhor de extrair oxigênio do seu sangue, então você não precisa de uma frequência cardíaca tão alta para abastecê-lo, diz o Dr. Wan.

Seu coração também fica mais forte, o que significa que pode bombear mais sangue a cada batimento. E você melhorará o que é chamado de tônus vagal, sua capacidade de ativar o sistema nervoso parassimpático, que acalma seu corpo do estresse.

Adicione tudo isso e após cerca de duas semanas de corrida consistente, você provavelmente notará uma diferença em sua frequência cardíaca, diz o Dr. Titano. Não apenas a frequência em repouso diminuirá como você verá menos picos a cada nova intensidade, de uma corrida leve a um intervalado a 100%. Você também descobrirá que ela diminui mais rapidamente após grandes esforços.

Até lá, desacelerar pode trazer sua frequência cardíaca de volta ao controle. Em vez de direcionar um ritmo específico que você acha que "deveria" ser fácil, vá pelo esforço percebido, sugere Amy Morris, treinadora de corrida certificada pela RRCA e diretora de treinamento pessoal da CrossTown Fitness em Chicago.


Use o "teste de conversa": Durante uma corrida realmente fácil, você deve ser capaz de ter uma conversa completa com um amigo. Cerca de 80% do seu treinamento deve permanecer nessa faixa, com apenas cerca de 20% mais difícil ou mais rápido, diz Morris.

Você está sem sono.

Descanso adequado é essencial para colher os benefícios do treinamento ao longo do tempo, e um sono ruim pode influenciar sua frequência cardíaca no dia seguinte, diz o Dr. Titano.

A privação do sono interfere em seus ritmos circadianos normais, alterando a quantidade de hormônios como cortisol e adrenalina correndo em suas veias. Isso torna seu coração mais sensível a mudanças de intensidade, causando um aumento na frequência maior do que o normal.

Você está desidratado.

Quando você está com pouco líquido no corpo, o volume total de sangue diminui. Como seu coração fornece menos a cada bombeamento, ele precisa acelerar para obter a mesma quantidade de litros para seus músculos.

Os níveis de eletrólitos também desempenham um papel, diz o Dr. Titano. Minerais como sódio e potássio são essenciais para o bom funcionamento do coração. Quando você está desidratado, o nível de pH do seu sangue também muda, o que aciona os "fios" do sistema elétrico do seu coração de maneiras que podem desencadear batimentos cardíacos mais rápidos.

Você está anêmico.

O ferro desempenha um papel fundamental na capacidade de transportar oxigênio dos pulmões para o resto do corpo. Então, quando você está com pouco desse mineral vital, como muitas corredoras estão, seu coração deve trabalhar mais para compensar, diz o Dr. Raffaele Corbisiero, presidente de eletrofisiologia do Deborah Heart and Lung Center em Browns Mills, Nova Jersey, e ele mesmo um corredor. Seu médico ou nutricionista pode diagnosticar anemia testando seus níveis de ferro e ferritina e, em seguida, recomendar alimentos ou suplementos ricos em ferro para tratá-la.

Você está grávida.

Nutrir dois corpos, o do seu bebê e o seu, requer mais sangue e mais esforço do sistema cardiovascular para bombeá-lo, diz o Dr. Wan. Além do mais, seus hormônios mudam de forma a ativar seu sistema nervoso parassimpático.

A frequência cardíaca de repouso da maioria das mulheres aumenta de 20 a 25 por cento durante a gravidez, e ela também aumenta quando você está correndo ou se exercitando. Essa é uma razão pela qual o velho conselho de manter sua frequência abaixo de 140 não faz sentido. Na verdade, não foi baseado em nenhuma evidência sólida. Recentemente, pesquisadores desenvolveram novas recomendações que podem ajudar a manter as corredores atuais e futuras seguras.

Sua tireoide está fazendo hora extra.

Essa glândula em forma de borboleta no pescoço libera hormônios que controlam a frequência cardíaca, bem como a pressão arterial e o nível de colesterol. Então, quando não está funcionando corretamente, você pode notar mudanças no seu ritmo.

Uma tireoide hiperativa, ou seja, hipertireoidismo, pode causar um aumento na frequência cardíaca, diz o Dr. Corbisiero. Assim, medicamentos poderiam tratar qualquer tipo de condição da tireoide.

O hipertireoidismo pode levar a arritmias e outros problemas cardíacos, bem como afinamento dos ossos, doenças oculares e problemas de fertilidade ou na gravidez. Portanto, verifique se você tem uma frequência cardíaca acelerada e outros sintomas, incluindo fraqueza muscular, problemas com tolerância ao calor, movimentos intestinais mais frequentes e tremores.

Você está voltando depois de ter COVID-19.

A Dra. Titano e seus colegas viram pacientes se recuperando do COVID-19. Muitos, incluindo os corredores, notaram que sua frequência cardíaca aumenta drasticamente, mesmo apenas para atividades cotidianas, como subir escadas ou descer o quarteirão. Alguns também desenvolvem uma condição conhecida como síndrome de taquicardia ortostática postural, onde o coração dispara e eles podem até desmaiar ao se levantar.

Na maioria dos casos, estes não parecem ser sinais de problemas cardíacos permanentes, diz ela. Mas se você os tiver, seu médico pode fazer testes de diagnóstico para ter certeza e, em seguida, colocá-lo em um protocolo de hidratação, reposição de eletrólitos, meias de compressão e uma progressão conservadora de exercícios feitos deitados para atividades mais intensas.

"é um processo muito lento e constante que leva alguns meses, dependendo de há quanto tempo você está doente", diz ela. "Mas tivemos um sucesso muito, muito bom com esse tipo de programa de exercícios gradativos".

Você está tomando certos medicamentos.

Enquanto alguns medicamentos, como betabloqueadores prescritos para outras doenças cardíacas, podem desacelerar o coração, outros o aceleram. Medicamentos como inaladores de asma, antidepressivos e tratamentos para transtorno de déficit de atenção e hiperatividade podem aumentar seus batimentos por minuto.

Você consumiu cafeína.

Há uma razão pela qual o café matinal lhe dá uma sacudida: a cafeína é um estimulante, o que significa que aumenta os níveis de adrenalina e a resposta do sistema nervoso simpático do seu corpo. Entre café, chá, suplementos pré-treino e géis, é fácil consumir mais do que você imagina, diz o Dr. Titano.

Na maioria dos casos, isso não é um problema. No entanto, dosagens de mais de 400 miligramas por dia podem aumentar os efeitos colaterais como dor de cabeça, ansiedade e palpitações cardíacas, e overdoses podem ser perigosas. Algumas pessoas são mais sensíveis e experimentam isso com menos cafeína, portanto, monitorar sua ingestão e como você se sente é uma boa ideia para os corredores.

Você está sobrecarregado.

Sua saúde mental não é verdadeiramente separada da física. Estresse ou pressão emocional de outras partes de sua vida também aumentam o cortisol e a adrenalina, potencialmente aumentando sua frequência cardíaca, diz o Dr. Corbisiero. O overtraining também pode elevá-la tanto em repouso quanto durante o esforço.

Você tem uma arritmia.

"Se você pensar no coração como uma casa, com o tempo, você pode ter problemas de encanamento, bem como problemas elétricos", diz o Dr. Titano. Como eletrofisiologista, sua especialidade é diagnosticar e consertar a "fiação" defeituosa, que geralmente aparece na forma de ritmos cardíacos anormais ou arritmias.

Alguns são inofensivos, mas outros, tais como fibrilação atrial ou taquicardia supraventricular, são perigosos, diz o Dr. Corbisiero. Seu risco aumenta com a idade ou se você tiver outras condições, como pressão alta, diabetes, doenças vasculares ou apneia do sono. Mas também podem ocorrer em pessoas mais jovens sem outras doenças. é por isso que é uma boa ideia observar outros sintomas relacionados ao coração e conversar com seu médico se tiver dúvidas.

Quando procurar ajuda médica por frequência cardíaca alta

Se sua frequência cardíaca aumentar inesperadamente em uma corrida fácil, você pode começar analisando esta lista de motivos e eliminando quaisquer explicações óbvias. Se você está dormindo bem, se hidratando, com pouco estresse e não teve falhas em seu treinamento, fique atento a quaisquer outros sintomas, incluindo:
  • Tontura

  • Frequência cardíaca alta em repouso ou durante outros movimentos de baixa intensidade, como levantar-se

  • Náusea ou vômito

  • Sensação de que seu coração pula ou bate irregularmente

  • Mudanças nos hábitos intestinais

  • Perda de peso sem motivo
Se você notar esses ou outros sinais anormais ou se sua frequência cardíaca continuar a subir ou permanecer em um nível alto por um período prolongado de tempo, é uma boa ideia consultar seu médico, diz o Dr. Titano.

Infelizmente, alguns profissionais de saúde podem minimizar os sintomas das mulheres, especialmente se você for jovem e parecer saudável. Então, se você realmente tem a sensação de que algo está errado, seja seu próprio protetor na busca de respostas, o Dr. Friedman insiste. Também pode ajudar procurar um médico que tenha experiência no tratamento de atletas.

"Muitas vezes descobrimos que as mulheres são informadas de que estão deprimidas, ansiosas e todas essas coisas diferentes, quando na verdade têm uma doença cardíaca real. E se forem atletas, é muito mais provável que lhes digam que estão bem", diz o Dr. Friedman.

"Seja persistente. A determinação que você teria ao enfrentar o treinamento para um longão de preparação para a maratona deve ser a mesma quando uma mulher entra num consultório onde está recebendo respostas que não as deixem felizes ou confortáveis".

Uma outra maneira de minimizar os riscos cardíacos durante a corrida, para você e seus parceiros de treinamento: aprenda ressuscitação cardiopulmonar (RCP) e como usar um desfibrilador. A Cruz Vermelha oferece aulas presenciais e online, e seu grupo de corrida pode até coordenar um treinamento.

"Saber como reconhecer a parada cardíaca e realizar a RCP, sem dúvida, salvará vidas", diz o Dr. Friedman. "Você pode estar em um clube de corrida e, de repente, alguém cai. Saber como executar essas técnicas que salvam vidas é inestimável".

Fonte: WomensRunning.com

Leia mais sobre: frequência cardíaca, náusea

Copyright © Marcelo Coelho