Parceiros
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

As pessoas andam odiando os corredores?
Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

segunda-feira, 18 de maio de 2020 - 16:19
runners envyRecentemente, escrevi um artigo com a manchete "Você provavelmente não precisa usar máscara enquanto corre", que argumentava que a melhor maneira dos corredores se protegerem e a outros de uma possível infecção por coronavirus é manter a máxima distância. A julgar pelas respostas nas mídias sociais, este artigo tocou um nervo. Houve quem se aborrecesse com a inclusão da palavra "provavelmente" no título, como se fosse absurdo considerar um ataque à liberdade pessoal. Por outro lado, houve quem achasse que o artigo era irresponsável por questionar os benefícios do uso de máscaras durante o exercício ao ar livre. Um indivíduo empreendedor do último grupo entrou em contato comigo no LinkedIn, para me informar que eu poderia ter sido a causa de alguém engasgar até a morte com seu próprio muco. Não sou sociólogo, mas diria que o clima nacional é tenso.

Tirando o debate sobre máscaras, esses tempos difíceis parecem inspirar um sentimento mais geral de hostilidade em relação aos corredores. Na semana passada, Slate publicou um artigo sobre o aumento de "sentimentos anti-corredores". Na segunda-feira, o Wall Street Journal sugeriu, em tom jocoso, que havia uma "guerra aos corredores". Não é totalmente irracional. No momento em que todos fomos instruídos a considerar um ao outro como possíveis vetores de um vírus mortal, os corredores podem parecer uma ameaça única. A velocidade. O suor. A respiração pesada. Isso está deixando algumas pessoas muito nervosas.

Em sua coluna semanal da revista New York, Andrew Sullivan desabafou sua frustração com os "corredores millenials": "Eles chegam tão rápido que você não consegue se esquivar das balas virais que podem estar derramando pelo nariz. Fiquem longe, ok?", escreveu ele no final de março. Na edição de 4 de maio da New Yorker, os escritores da revista de Nova York colaboraram para criar um retrato de uma cidade sitiada que incluía isto sobre os corredores do Central Park: "No início da pandemia, eles seguiram em frente com um desrespeito quase irritante pela nova realidade, correndo, a maioria sem máscara, no caminho eterno dos corredores urbanos". Enquanto isso, uma colunista da Jewish Chronicle resumiu as coisas com a seguinte manchete: "Vamos lembrar disso como a época em que os corredores se tornaram anjos da morte".

Tem sido argumentado que a pandemia ampliou as condições pré-existentes da sociedade americana, isto é, nosso obsceno sistema de saúde e liderança disfuncional. De uma maneira muito menos consequente, a guerra contra os corredores representa uma escalada de um desprezo leve que provavelmente sempre houve. Sullivan admite o mesmo em sua coluna: "Eles chegam até você como um trem desgovernado na melhor das hipóteses... Hoje em dia, quando eles bufam, resfolegam e ocasionalmente cospem, eles não são apenas irritantes, são uma ameaça à saúde pública." Correr pode ser o esporte mais acessível do mundo. Você realmente pode praticá-lo em qualquer lugar, mas o outro lado dessa acessibilidade é que ela também exige compartilhar a rua com os não praticantes. "Correr é mais insidioso por sua maneira de tirar o proselitismo da academia", escreveu Mark Greif em seu ensaio de 2004 "Against Exercise". "É uma invasão direta do espaço público". Uma grande parte da briga de Greif contra exercícios, em oposição aos esportes coletivos, é que ele retrata o praticante hardcore de exercícios como uma espécie de evangelista reprimido por uma atividade fundamentalmente "não compartilhável". Alguém já se perguntou como esse argumento se mantém na era Strava?

Desnecessário dizer que a maioria dos corredores provavelmente não se identifica como proselitistas, e a desconexão geral entre como eles se vêem e como são percebidos pelos outros parece especialmente pertinente agora. Durante semanas, a diretiva das autoridades locais e federais tem sido ficar em casa, se você puder, e evitar todas as atividades não essenciais. O problema disso, é claro, é que geralmente há pouco consenso sobre quais formas de recreação se qualificam como essenciais. Os benefícios para a saúde mental proporcionados pelo exercício podem ser amplamente reconhecidos, mas há uma grande diferença entre uma caminhada rápida pelo bairro e um tempo-run de 10 quilômetros no parque local. Para um não-corredor, esforços tão intensos (e, talvez, qualquer tipo de corrida) podem parecer um desrespeito extravagante pelo bem comum. Ainda mais que é mais difícil fazer um tempo-run com uma máscara. Para outros, a emoção de correr rápido só pela diversão pode parecer um alívio indispensável da loucura cotidiana. Mas, é claro, não é realmente indispensável.

O que está em jogo torna-se ainda mais importante quando se trata de discordâncias sobre o que constitui um comportamento arriscado, em oposição ao essencial. O filósofo britânico John Stuart Mill afirmou que, "em uma sociedade verdadeiramente livre, devemos ser capazes de fazer o que quisermos, sem impedimentos de nossos semelhantes, desde que o que fazemos não os prejudique, mesmo que eles achem nossa conduta tola, perversa ou errada". Tenho certeza de que muitas pessoas pensam que fazer uma corrida de 32 quilômetros é tolo, perverso e, em certo sentido, errado, mas a ideia de que isso também pode ser prejudicial para os outros é exclusiva do nosso desagradável momento atual.

Por enquanto, o risco de transmissão ao ar livre do COVID-19 parece muito pequeno, principalmente se os corredores demonstram bom senso básico sobre a manutenção da distância. Por prevenção, estou indo correr com uma balaclava com que posso cobrir meu nariz e boca no caso improvável de não poder dar aos outros um espaço amplo. Como está longe de ser claro o quão bem uma camada fina de poliéster pode realmente fazer, isso é mais um gesto simbólico de solidariedade do que qualquer outra coisa. Também há poucas evidências de que o coronavirus possa se espalhar pelo suor. No entanto, à medida que avançamos para o verão, a guerra contra os corredores pode se transformar em guerra contra homens sem camisa nas calçadas da cidade. Dou a maior força.
Traduzido do site OutsideOnline.com

Fonte: OutSideOnLine.com (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: coronavirus

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho