Coelho Dizeres Computador
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

O overtraining pode ser tanto mental quanto físico? Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

quinta-feira, 29 de agosto de 2019 - 08:18
tired runnerO overtraining é um daqueles termos nebulosos que treinadores e atletas temem como a peste. Afinal, para corredores altamente competitivos e meio obsessivo-compulsivos, a questão não está em estimulá-los a fazer mais trabalho, mas em segurá-los apenas o suficiente para impedi-los de chegar a essa zona indesejada. Normalmente, pensamos no overtraining como um estado físico em que nosso corpo atingiu seus limites na adaptação e recuperação do treino que prescrevemos.

Podemos abordar isso fisiologicamente e falar sobre os músculos não serem totalmente reparados de danos relacionados ao treinamento, a mudança hormonal indo em direção à falha ou mesmo o sistema nervoso em um estado mais estressado. Todas essas consequências fisiológicas podem, de fato, acontecer, e todas elas indicam um descompasso nesse equilíbrio de estresse e recuperação do treinamento. Como resultado disso, a prescrição para se recuperar do overtraining é frequentemente o descanso ou uma carga de treinamento muito reduzida.

Mas se olharmos para as coisas do ponto de vista psicobiológico, isso faz pouco sentido. Podemos estar dando ao corpo a recuperação física, mas o que não conseguimos perceber é que essa insistência em descansar muitas vezes cria uma reação exagerada no corpo. Um estudo recente mostrou que quando atletas de resistência regulares são obrigados a tirar folga, os sintomas de depressão e alterações de humor aumentam. Ou do ponto de vista físico, se tivermos uma fratura por estresse, o osso irá realmente curar mais rápido se houver um pequeno estímulo para se adaptar em termos de capacidade de carga, se simplesmente andarmos com muletas e não colocarmos peso no osso.

Muitas doenças modernas são agora classificadas como doenças da civilização, o que significa que elas estão relacionadas às nossas insistências modernas em conforto e monotonia. Tentamos eliminar todos os estressores de nossas vidas e, em vez disso, acabamos com um estresse crônico de baixo grau, em vez do fluxo e refluxo natural de um estresse agudo, seguido por uma boa recuperação. Embora o que muitas vezes temos no overtraining seja muito trabalho ou pouca recuperação, para resolver esse problema, com frequência vamos ao outro extremo da recuperação total e eliminamos todo o estresse.

O que procuramos não é apenas eliminar o treinamento, mas sim restaurar esse fluxo e refluxo natural de estresse e recuperação agudos. Ao fazer isso, podemos tirar um atleta do estado de overtraining e fazê-lo voltar à pista. As seguintes estratégias podem ser usadas para combater a síndrome do overtraining e redefinir seu corpo para que você possa ser resiliente ao problema.

Treine de maneira diferente:

Pesquisas descobriram que uma das muitas variáveis relacionadas ao overtraining é a monotonia. O simples ato de fazer o mesmo tipo ou padrão de treinamento leva a uma maior probabilidade de overtraining. O raciocínio por trás disso é simples, a monotonia cria uma falta de estímulo mental e físico ao qual se adaptar. Em vez de cair no mesmo padrão de treinamento, introduza algo novo. Faça um tipo de treino diferente, vá para um novo local de treinamento ou até mesmo troque o treino de intervalo restrito por um treino de fartlek mais fluido. Livre-se do hábito de ter um ciclo definido e, em vez disso, institua o que chamaríamos de modulação grande, onde há grandes variações na quantidade, intensidade e tipo de treinamento de cada dia da semana, em vez de seu padrão normal.

Treine ao ar livre:

Em um estudo interessante publicado no British Journal of Sports Medicine, descobriu-se que fazer exercício em espaços ao ar livre teve um grande impacto em uma variedade de índices de humor relacionados à restauração da força de vontade. Esse impacto psicológico no humor e o que chamamos de afetividade criam um estado de recuperação positivo. Ao invés de pular na esteira quando estiver em forma ou ir para o elíptico quando estiver lesionado, saia para uma corrida ou leve o Elliptigo para dar uma volta. O simples ato de estar em um ambiente externo ajudará, do ponto de vista psicobiológico, a colocá-lo em uma condição melhor de recuperação.

Introduza mini treinos:

Outro estudo no Journal of Sports Science and Medicine mostrou que o overtraining estava relacionado tanto a uma carga de treinamento alta quanto baixa, o que significa que aqueles que treinaram muito fácil na verdade mostraram sinais de estresse. Para combater isso, introduza mini treinos onde, em vez de fazer um treino de intervalo completo, faça um que inclua cerca de 60 a 70% do volume. Por exemplo, se normalmente, você faria 10 × 400 em 75 segundos, faça 6 × 400 no mesmo ritmo. Reduzindo o volume do treino e mantendo a intensidade, ainda obtemos um pequeno estressor fisiológico sem forçar um dos limites fisicamente ou mentalmente.
Traduzido do site ScienceOfRunning.com

Fonte: ScienceOfRunning (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: overtraining

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho