Parceiros
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Olhe para trás em seu treinamento
Telegram Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021 - 08:36
runner looking backA menos que você seja novo no idioma inglês, provavelmente está familiarizado com a expressão "Não olhe para trás". Suas origens estão no livro de Gênesis, onde Deus ordena a Ló e sua família que fujam da cidade condenada de Sodoma e não olhem para trás, mas a esposa de Ló desobedece e é instantaneamente transformada em uma estátua de sal.

Hoje em dia, a frase "Não olhe para trás" costuma ser usada para encorajar uma pessoa a sair de uma experiência difícil ou traumática. A sabedoria associada é que olhar para trás em tais circunstâncias sobrecarrega a pessoa com sentimentos de arrependimento que a impedem de aproveitar ao máximo o futuro. De forma mais ampla, existe uma tendência em nossa cultura de privilegiar o futuro sobre o passado. Associamos o passado à dor e ao desapontamento, o futuro à esperança e possibilidade e, portanto, treinamos a nós mesmos e aos outros para olharmos para o futuro.

Como corredores, trazemos essa mentalidade para o nosso treinamento. Preferimos pensar sobre para onde estamos indo e o que ainda devemos fazer e não sobre onde estivemos e o que fizemos. Ao ler isso, você pode até estar se perguntando por que algum corredor faria o contrário. Eu vou te dizer: minha experiência como treinador me ensinou que olhar para frente não é tão útil para um corredor, enquanto olhar para trás é. Tenha paciência enquanto eu explico.

As armadilhas de olhar para a frente

Existem duas maneiras pelas quais os corredores geralmente se metem em problemas quando olham para a frente. A primeira forma envolve fazer a pergunta: "Até que ponto posso ser um bom corredor" ou "Qual é o meu limite?" Os corredores que se fixam no futuro dessa maneira tendem a se adiantar em seu treinamento, apressando o processo de melhorar e muitas vezes cedendo à decepção quando não conseguem melhorar no ritmo esperado.

Essa forma de olhar para o futuro é uma armadilha porque é impossível prever o potencial máximo de desempenho de um determinado corredor ou quanto tempo levará para chegar lá. Os sonhos e ambições nos quais os corredores colocam seus corações costumam ser arbitrários, carecendo de uma base sólida de evidências.

Considere Randy, um corredor que treinei e decidiu que queria quebrar a barreira dos 16 minutos nos 5 km, nunca tendo disputado uma prova de 5 km antes (ele é um cara de trilha). Apesar de ter feito um tremendo progresso em sua preparação para o dia da corrida, julguei que Randy estava em forma para 16:20, mas ele estava animado com os ganhos que estava fazendo e determinado a ir 15:59 mesmo assim. Como resultado, ele forçou um pouco demais em seus últimos treinos importantes, começou rápido demais na corrida e quebrou, cruzando a linha de chegada em 16:42.

A outra maneira pela qual os corredores olham para o futuro em detrimento de si próprios envolve fazer a pergunta: "O quão duro tenho treinado?" ou "Em ponto devo me encontrar no fim do meu treinamento?" Os corredores que se fixam no futuro dessa maneira tendem a se fixar em planos de treinamento e cronogramas de desenvolvimento que podem ou não ser apropriados para eles.

Reviro os olhos toda vez que vejo um plano de treinamento pronto para algum objetivo específico, como a qualificação para a Maratona de Boston, como se uma certa quantidade de treinamento fosse universalmente necessária para atingir um determinado nível de desempenho. Já perdi a conta do número de corredores que encontrei que se atrapalharam com o treinamento porque presumiram que precisavam treinar de uma certa maneira para atingir seus objetivos ou realizar todo o seu potencial.

Construindo tijolo por tijolo

Não há nada de errado em ter sonhos e estabelecer metas como corredor. Mas essas aspirações futuras devem ter muito pouca influência sobre o que você faz hoje ou amanhã em seu treinamento. Melhorar como corredor é como construir uma parede de tijolos. Sua ambição final pode ser empilhar tijolos com 10.000 camadas de altura, mas se você só colocou 100 camadas até agora, tudo o que você pode fazer é trabalhar na 101ª camada. Você não pode empilhar tijolos no ar. Em outras palavras, como corredor, você deve sempre treinar como o atleta que é hoje, não como aquele que espera ser em algum momento no futuro.

Os corredores de elite oferecem um exemplo útil a esse respeito. Os profissionais treinam arduamente, registrando mais de 160 quilômetros por semana e realizando regularmente treinos individuais épicos. Entretanto, nenhum desses atletas começou aqui. Cada um chega a esse nível de treinamento ao longo de muitos anos. O técnico queniano Patrick Sang, cuja lista de alunos inclui o recordista mundial da maratona Eliud Kipchoge, disse que coloca cada novo atleta com quem trabalha em um plano de desenvolvimento de 10 anos.

Além do mais, o plano não é o mesmo para todos. Mesmo no nível de elite, os corredores individuais têm diferentes fórmulas de treinamento ideais em termos de volume, intensidade, recuperação e outros fatores. Na equipe HOKA NAZ Elite sediada em Flagstaff, por exemplo, Lauren Paquette corre de 105 a 112 km por semana porque tende a se lesionar se correr mais, Scott Fauble corre de 175 a 195 km por semana porque seu desempenho em treinos importantes piora se ele corre mais, e Scott Smith corre de 193 a 210 km por semana porque ele não atinge a sua forma máxima se correr menos. Todos esses corredores descobriram seu ponto ideal de volume por meio de tentativa e erro, e você precisará fazer o mesmo.

Apesar da incerteza em torno do ponto final, esse processo é bastante simples e direto. Tudo que você precisa fazer é dar uma olhada em onde você está agora em seu treinamento e desenvolvimento e dar o próximo passo. Se você atingiu o pico de 70 km por semana em seu último ciclo de treinamento e tolerou esse volume razoavelmente bem, tente atingir o pico de 80 km por semana em seu próximo ciclo de treinamento. Se você se desenvolveu como um corredor a ponto de uma corrida básica de 32 km não ser um grande desafio, tente incorporar alguns esforços mais rápidos em algumas corridas longas futuras. Se o seu treino de velocidade mais difícil no último ciclo de treinamento consistiu em 8 x 400 metros, tente 10 x 400 metros no próximo ciclo.

Lembre-se de que fazer mais não é a única maneira de desenvolver o que você fez. Você também pode refinar o que já está fazendo. Por exemplo, se você está cometendo o erro comum de fazer muita corrida de intensidade moderada (e em particular, o erro de fazer suas corridas fáceis muito rápidas), deixe as coisas mais aleatórias para que você gaste 80 por cento do seu tempo de treinamento semanal em baixa intensidade (ou seja, uma intensidade na qual você pode falar confortavelmente) e 20% em intensidades mais altas, como fazem os profissionais. Adquira o hábito de parar o treinamento de vez em quando e avaliá-lo com um olhar crítico, procurando lacunas, desequilíbrios e ineficiências que você pode resolver no futuro - sem olhar para frente.
Traduzido do site PodiumRunner.com

Fonte: PodiumRunner.com (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: treinamento

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho