Parceiros
[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

O Mindset queniano: Lições do Kenya - parte 2
Compartilhe! Telegram Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

quarta-feira, 27 de outubro de 2021 - 18:07
eliud kipchigeA segunda parte de nossa série Lições do Quênia analisa a mentalidade dos corredores quenianos e explora a importância de se concentrar em seu próprio desempenho. Esta lição é baseada em minha própria experiência como corredor no Quênia, bem como no tempo gasto observando corredores quenianos de perto, enquanto morava e treinava no Grande Vale do Rift.

Você pode ver o primeiro post da série sobre a importância das subidas aqui.

Lição 2: Concentre-se em você mesmo

à primeira vista, pode parecer um tanto egoísta dizer 'concentre-se em si mesmo', mas na prática, mas não é o caso. Minha experiência ao longo de mais de duas décadas como corredor competitivo me mostrou que muitos de nós, inclusive eu, podemos nos encontrar atolados em dúvidas e autocríticas, que vêm como resultado direto de nos compararmos com os outros. Não é que você inveje o sucesso de outras pessoas, mas que você atribui seu próprio valor como corredor de acordo comparando suas realizações às de outro corredor.

Antes de ir para o Quênia, eu estava preso a essa mentalidade e julgava meu valor como corredor por padrões de desempenho totalmente arbitrários estabelecidos por outros. Até certo ponto, se você é um atleta competitivo, isso é inevitável. Por exemplo, se você está competindo em um grande evento de cross-country, é inevitável, e correto, que prefira terminar em 30º em vez de 40º. Então, sim, você está avaliando seu desempenho em relação aos outros. Mas isso conta apenas parte da história. Você ter corrido bem é algo ditado por processos internos, não como os outros ao seu redor correram. A questão "você correu bem?" não pode ser respondida em profundidade, com base puramente no lugar em que você terminou. Você correu o mais forte que pôde? Você executou a corrida conforme planejado? E etc. Essas coisas são independentes de quantos outros corredores cruzaram a linha antes de você.

Não é apenas nesses cenários muito específicos que isso é problemático. A questão é mais geral, onde a autoestima dos corredores é avaliada por sua posição relativa no quadro geral de classificação. Um corredor de 32 minutos desejando ser um corredor de 30 minutos, um corredor de 40 minutos desejando ser o cara de 32 minutos etc. Ou pode ser mais específico para um indivíduo em particular. Se eu fosse tão rápido quanto fulano do clube local...

Claro, aspirar a ser melhor é ótimo. Acontece que comparar-se aos outros tem se mostrado uma maneira ruim de chegar lá.

No Quênia, tive duas observações principais que ajudaram a me tirar dessa mentalidade prejudicial (acredite em mim, isso é prejudicial). A psicologia do esporte é bem clara quanto a isso. Recomendo verificar o Dr. Michael Gervais e seu podcast Finding Mastery, onde este tópico frequentemente surge com convidados do mundo esportivo e não esportivo.

Das duas observações, uma é pessoal e a outra se relaciona à abordagem dos corredores quenianos para com seus colegas atletas.

Vamos começar com a pessoal.

No Reino Unido, fui (ou sou, se estiver sendo generoso) considerado um bom corredor. Corri sub-15 nos 5 km e 1:08 na meia maratona. No Quênia eu sou péssimo, não apenas porque muitos corredores no Quênia podem correr mais rápido do que isso, mas também porque as corridas são realizadas em grandes altitudes e, como morador do nível do mar, estou em séria desvantagem ao competir contra atletas nascidos e criados em grandes altitudes.



Eu uso a foto acima para ilustrar meu ponto. Tornou-se uma espécie de foto de comédia cult entre amigos. Ela me mostra competindo com um cara de roupa de trabalho. Nela estamos bem atrás do pelotão. Cheguei na frente de apenas 10 ou 12 corredores naquele dia, entre algumas centenas. Para alguém que está acostumado a lutar por medalhas em eventos de nível municipal em casa, é um tanto humilhante correr na retaguarda de uma corrida de cross-country local no Quênia. No entanto, apesar do valor cômico, a foto também me ajudou a entender como é frívolo julgar minha corrida comparando-a com a dos outros.

Na minha prova seguinte, depois de voltar ao Reino Unido, terminei em 22º no Senior National XC, meu melhor resultado nesse evento. Corri drasticamente melhor em Sunderland do que em Eldoret? Eu não penso assim. Claro, eu preferia as colinas e lama na neve do Nordeste da Inglaterra ao solo plano e duro sob o sol quente da tarde do Quênia. Mas eu era o mesmo corredor, num nível semelhante de preparo físico.

Então, por que deixei uma prova bastante desconsolado e a outra, feliz?

Porque eu estava me julgando com base em quantos outros eram melhores do que eu, ao invés de qualquer julgamento interno sobre como eu realmente me saí.


Era o mesmo nas corridas de rua. Eu olhava para a classificação e pensava "bem, minha meia maratona de 1:08 está ok. Mas tantos caras podem correr 1:05 ou 1:06. Isso é do que um bom corredor deve ser capaz". Claro, ignorando o fato de que aqueles mesmos caras de 1:06 poderiam estar pensando o mesmo sobre os caras que correm em 1:03.

é basicamente o equivalente a sempre querer um salário mais alto, um carro melhor ou uma casa maior. Se eu tivesse tanto sucesso quanto "x", ficaria feliz.

Demorei um pouco para perceber que essa não era uma ótima maneira de fazer as coisas e é algo que ainda surge de vez em quando, mas meu prazer geral e meu desempenho melhoraram desde que aprendi esta lição.

Meu foco agora está no meu desempenho. Eu estou melhorando? Estou maximizando meu potencial? Em vez de só pensar em vencer fulano e beltrano.

A abordagem queniana

Morando em Iten por tanto tempo, vi como os corredores quenianos abordavam essa questão da comparação com os outros. é muito diferente do que experimentei no Reino Unido. Os corredores quenianos veem o desempenho de seus compatriotas como nada além de uma inspiração e uma prova de que também são capazes de correr rápido.

Não é que os britânicos não fiquem satisfeitos quando veem seus compatriotas correrem rápido. Você só precisa assistir às Olimpíadas para ver o quanto estamos loucos para que eles tenham sucesso. Mas isso geralmente é observar corredores que estão tão distantes de você a ponto de não serem vistos como uma ameaça ao seu próprio ego. Eles estão em um estágio totalmente diferente, então são de fato uma fonte de inspiração. São os corredores dentro e ao redor de você que são o problema. O cara do clube da rua, o cara que você vencia há alguns anos, mas que desde então te ultrapassou... quando é em um nível pessoal, há uma disposição para ver o alto desempenho dos outros como um desprezo por nós mesmos. No Quênia, é mais provável que o processo de pensamento seja "ele pode fazer isso, eu também posso". Não se preocupe se outra pessoa com quem você treina, ou que você vencer no ano passado, agora corre mais rápido do que você. Isso simplesmente o encoraja ainda mais.

A bem da verdade, há armadilhas nessa abordagem. Conheci vários corredores quenianos que estão, para ser franco, vivendo em um mundo de sonhos, no que diz respeito ao seu desempenho e potencial. Vem à minha mente um atleta que treinava em tempo integral em Iten há vários anos, mas não era mais um jovem e estava terminando consistentemente no final das corridas locais. Entretanto, ele insistia que estava destinado a quebrar o recorde mundial da maratona.

No geral, entretanto, é uma maneira muito mais positiva e produtiva de ver outros corredores que são mais rápidos do que você.

Como o título deste post sugere, ainda é uma questão de focar em si mesmo. Os corredores quenianos são brilhantes em manter uma profunda motivação para ser o melhor que podem ser e mantê-la pelos muitos anos que leva para ser um grande corredor.

Mas enquanto muitos corredores ocidentais desvalorizam suas próprias realizações à luz das de outra pessoa, os quenianos veem o sucesso dos outros apenas como uma reafirmação de que estão corretos em sua própria crença.

E do outro lado, há Eliud...

Não podemos realmente falar sobre algo relacionado à mentalidade e à corrida queniana sem consultar a sabedoria de Eliud Kipchoge...

Eliud postou isso no Instagram de seu próximo filme Kipchoge: The Last Milestone. Você pode acessar kipchogemovie.com para saber mais sobre o próximo filme.

Então, mesmo que você não acredite em mim, com certeza vai dar ouvidos a Eliud: "Não compita com ninguém, só com você mesmo".

Obrigado pela leitura, estarei de volta na próxima semana para a lição 3 do Quênia!
Traduzido do site TraininKenya.com

Fonte: TraininKenya.com

Leia mais sobre: mental, kipchoge

Copyright - Marcelo Coelho