Coelho Dizeres Computador
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

3 maneiras do corredor construir resiliência



segunda-feira, 11 de março de 2019 - 09:22
corredorÉ verdade que os corredores são uma tribo durona, mas até mesmo os corredores mais fortes podem ter uma ruptura, tanto no treinamento quanto na vida pessoal, que pode ter um efeito secundário em sua corrida. Corredores de todos os níveis, de recreativos à elite, têm seu conjunto específico de desafios e podem se beneficiar aprendendo como construir resiliência.

"A resiliência é resistir ou mesmo prosperar em meio a fatores estressantes ou adversidades", explica John Keenan, MS, treinador de habilidades mentais e de corrida e Coproprietário da Intrepid Performance Consulting. "Com base na pesquisa, os quatro problemas mais comuns - e, portanto, as oportunidades de construção de resiliência - são lesões, quedas de desempenho, doenças e transições na carreira."

Só o fato de ler essa lista pode deixá-lo ansioso, mas é importante saber que essas questões não precisam ser um fim negativo para sua história. Keenan usa a lesão como exemplo. A maneira como você aborda a recuperação e define metas ao retornar à corrida pode fazer toda a diferença na criação de resiliência. Tudo faz parte de transformar uma circunstância infeliz em um resultado positivo.

Os benefícios de atingir seu ponto de ruptura

Quando você atinge um ponto de ruptura, em treinamento ou em uma prova, isso coloca você na posição perfeita para construir resiliência. Na verdade, alguns diriam que você pode se tornar um corredor e uma pessoa mais forte se recuperando desses momentos difíceis. Isso se aplica tanto a alcançar o ponto de ruptura quanto a realmente "quebrar". Deve-se notar que, se você "quebrar", isso não significa necessariamente que você desistiu. Keenan nota a diferença entre os dois porque, ao desistir, não há movimentos de volta envolvidos. Chegar a um ponto de ruptura pode não parecer uma coisa boa no momento, mas definitivamente há alguns benefícios a longo prazo.

"Você pode chegar a um ponto de ruptura e até mesmo quebrar, mas continue para terminar uma sessão de treinamento ou corrida. Estes são frequentemente os momentos que o impactam de uma maneira extremamente positiva, à medida que você experimenta em primeira mão a lição de que você é mais forte e mais resistente do que acredita que é. Nós só sabemos nossos limites quando passamos por eles, e para isso, temos que estar dispostos a quebrar, talvez apenas mentalmente e emocionalmente, mas potencialmente fisicamente também. Desta forma, chegar a um ponto de ruptura é se aprofundar em um momento delicioso de crescimento. Vale a pena pela sua evolução como corredor e como pessoa que navega na vida em geral.", confirma Jeff Grant, especialista em treinamento mental, desempenho máximo e transformação e autor de "Flow State Runner: Activate a Powerful Inner Coach’s Voice


Mais uma vez, muito disso depende de como você é capaz de olhar para a situação, e você pode não obter esses benefícios até que seja capaz de voltar atrás e refletir sobre o que aconteceu. Isso pode até ajudá-lo a identificar os gatilhos e fraquezas que deve trabalhar para evitar ou fortalecer, para não se deparar com a mesma situação novamente.

Por que o treinamento mental é importante?

Adicionar treinamento mental à sua rotina pode lhe ajudar a estar melhor equipado. Ao bater no muro em uma prova ou sofrer uma lesão que atrasa seu treinamento, a resistência mental é a chave. Se você fez o trabalho mental de antemão, você já terá muitas das ferramentas de que precisa para se recuperar mais rapidamente, além de ser capaz de reverter a situação e ver os aspectos positivos muito mais rapidamente.

O treinamento mental pode parecer diferente para todos, mas Keenan enfatiza que deve ser uma "prática específica e separada" que é frequentemente negligenciada. Como as pessoas não sabem como fazer, pulam-no completamente.

"Peço a todos os meus clientes que mantenham um 'log de pensamentos' junto ao log de corrida. Esqueça o conceito de pensamentos positivos e negativos e pergunte a si mesmo: 'Os pensamentos que tenho enquanto corro ajudam ou prejudicam meu progresso em direção ao meu objetivo?' Se estiverem atrapalhando, considere por que você pode tê-los nesse ponto exato durante a corrida. Talvez os pensamentos ocorram no início de sua corrida antes que você encontre seu ritmo, no final de sua corrida quando estiver cansado ou em algum lugar no meio durante uma seção particularmente difícil. Depois de refletir, comece a planejar seu próximo treino.", explica Keenan.

Ao planejar o próximo treinamento, Keenan faz com que os corredores observem a rota no MapMyRun e se concentrem nas seções em que são mais propensos a ter esses pensamentos negativos. Uma vez identificados, crie um mantra ou pensamento positivo para usar nessa seção. Você realmente deve ensaiar o processo de colocar esse pensamento em sua mente antes de sair para correr. À medida que você faz isso mais e mais, Keenan diz que você vai se tornar melhor não apenas em identificar os problemas que normalmente enfrenta, mas também em ter uma solução exata do que pode mentalmente ajudá-lo a superar.

Três formas de construir resiliência

Além de manter um registro de pensamento como parte do seu registro geral de treinamento, existem algumas outras coisas que você pode fazer para construir resiliência. Você pode optar por fazer todas elas, uma combinação ou até mesmo experimentá-las uma por uma para descobrir qual funciona melhor para você. Mesmo empregar apenas uma dessas táticas pode ajudar a tornar o treinamento mental uma parte regular da sua corrida, com o objetivo geral de se tornar um corredor ainda mais forte.

Corra mesmo quando não quiser

Agir é uma parte extremamente valiosa da construção de resiliência, de acordo com Grant. Mesmo se você acabar acabando sua corrida antes do tempo, você ganhou a batalha mental ao sair pela porta e correr, não importa quanto tempo ou quão longe.

"Corra quando você não se sentir a fim. Corra quando estiver estressado e tiver muito a fazer. Corra quando estiver frio e chuvoso. Corra quando estiver com fome. Corra mais cedo do que o que você quer de manhã. Corra quando se sentir lento. Corra quando se sentir cansado.", ele exclama.

Mergulhe de cabeça nas situações difíceis

Keenan diz que você deve ser proativo e se colocar em situações difíceis ao invés de evitá-las. Você alcança seu ponto de ruptura em uma subida? Adicione treinos de subida em sua rotina semanal. Uma certa distância sempre deixa você se sentindo esgotado? Não se acanhe, e sim, encare isso como um desafio.

"Ao projetar seus treinos, identifique os elementos que são difíceis e aja com eles, perseverando até conseguir. Quanto mais você planejar o seu regime de exercícios para incluir os desafios legítimos que você supera gradualmente, mais você pode esperar que sua resiliência esteja presente quando você precisar.", ele encoraja.

Comemore uma vitória a cada corrida

Ao manter o log de seus dados e pensamento no MapMyRun, não se esqueça de adicionar um ganho que você teve naquela corrida. Isso não só ajuda você a reconhecer que pode fazer coisas difíceis, mas durante aqueles momentos particularmente difíceis, você pode voltar e ler um registro completo de todos os sucessos que teve.

"Na construção de resiliência, é crucial dar crédito onde o crédito é devido. Às vezes é um gesto grandioso, como o tempo mais rápido de todos ou a maior distância de todas, e às vezes é um ato aparentemente insignificante, como apenas acordar e sair pela porta. Ambos criam resiliência e reconhecidamente ajudam, de forma consistente, a construir o seu arsenal.", acrescenta Keenan.
Traduzido do site MapMyRun.com

Fonte: MapMyRun.com (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: resistência mental, treinamento mental, resiliência, corrida

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho