Parceiros
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Surge um novo jeito de escolher tênis de corrida?
Telegram Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

quinta-feira, 7 de janeiro de 2021 - 14:26
running shoesHá uma década, os corredores tinham um método simples, científico e errado para escolher tênis de corrida. Era tudo uma questão de pronação, garantindo que seu tênis permitisse que seu pé rolasse para dentro na quantidade certa a cada passada. Mas em meio à turbulência da revolução dos pés descalços, uma das primeiras vítimas foi o paradigma da pronação: apesar de duas décadas de tênis cada vez mais inadequados para o controle da pronação, os corredores continuaram se lesionando.

O desafio, desde então, é descobrir como substituí-lo. A solução temporária que muitas pessoas (incluindo eu) escolheram foi uma proposta do biomecânico Benno Nigg da Universidade de Calgary, um dos proponentes originais do paradigma da pronação, na década de 1980 - de que os corredores deveriam confiar no que ele apelidou de "filtro de conforto". A ideia é que se um tênis é confortável, seus ossos e articulações provavelmente estão se movendo da maneira que deveriam, reduzindo o risco de lesões. É conveniente e simples, mas também não foi testado cientificamente e soa suspeitosamente como uma desculpa: estamos sem ideias, então apenas corra com o que parecer bom.

Tudo isso se esconde por trás de um estudo recente que testa um refinamento da ideia de Nigg. O estudo foi publicado em janeiro de 2020, na revista Scientific Reports, mas acabei de descobri-lo recentemente. É de um grupo de colaboradores da German Sport University em Cologne, da University of Massachusetts Amherst e da empresa de calçados Brooks. Está muito longe de oferecer uma resposta definitiva sobre como escolher o tênis de corrida certo, mas oferece um primeiro passo importante: dados experimentais.

A teoria que está sendo testada no estudo é chamada de "caminho de movimento habitual", que é a ideia de que (a) as articulações de cada pessoa preferem se mover de maneira distinta e (b) o tênis que permite que suas articulações se movam tão perto quanto possível desse caminho preferido irá minimizar o risco de lesões. Ele se baseia no "caminho de movimento preferido" anterior de Nigg e foi desenvolvido por vários pesquisadores, incluindo Steffen Willwacher e Gert-Peter Brugemann na Universidade Alemã de Esportes, Joe Hamill na UMass e Matthieu Trudeau em Brooks.

Uma maneira de entender a primeira afirmação sobre padrões de movimento únicos é mover as pernas de um cadáver em um movimento de corrida. Aqui está um gráfico de um artigo de 2019 sobre a trajetória do movimento habitual que mostra o movimento da articulação do joelho em seis pernas de cadáver sendo flexionadas para frente e para trás. Os três eixos do gráfico mostram três ângulos diferentes que descrevem o movimento do joelho, com cada sujeito (morto) em uma cor diferente:


(Ilustração: Footwear Science)

O movimento de cada sujeito é altamente repetível: a articulação do joelho se move exatamente da mesma maneira cada vez que se flexiona e se estende.Mas o movimento de cada sujeito também é completamente diferente dos outros sujeitos. As proporções de seus membros, a rigidez de seus tendões e seu histórico de movimentos tornam seus joelhos únicos.Cada um de nós tem seu próprio caminho de movimento habitual.

A segunda afirmação, ou seja, que esse caminho de movimento habitual nos diz algo útil sobre tênis de corrida, fica muito mais complicada.Primeiro você tem que decidir como medir a trajetória de movimento habitual em pessoas vivas.Para fazer isso, eles medem os ângulos das articulações enquanto os sujeitos fazem um meio-agachamento sem carga. A ideia é que um meio agachamento se parece com a maneira como você dobra o joelho durante a corrida, mas coloca uma carga bastante leve em suas articulações, assim como as atividades do dia a dia típicas, como caminhar e levantar de uma cadeira que nossas articulações e os tecidos moles presumivelmente se adaptaram ao longo do tempo para serem manuseados.Você pode comparar os ângulos medidos durante o meio-agachamento com os ângulos medidos durante a corrida e calcular um número que indica o quanto o seu movimento de corrida se desvia de sua trajetória de movimento habitual.Quanto mais você se desvia, a teoria sugere, mais carga você estará em áreas de junta e tendões e outras estruturas que não estão acostumadas a isso.

No experimento mais recente, Willwacher e seus colegas fizeram 12 voluntários completarem uma série de três corridas de 75 minutos em diferentes condições de tênis.Imediatamente antes e depois da corrida, eles fizeram uma ressonância magnética para medir a espessura da cartilagem dos joelhos.Esse tamanho de corrida comprime temporariamente sua cartilagem, portanto, cargas maiores no joelho devem causar maior compressão da cartilagem.

O principal resultado do estudo é que corredores com maior desvio da trajetória de movimento habitual medida em seu meio agachamento tiveram perda significativamente maior de volume da cartilagem em três partes do joelho durante a corrida. Isso foi baseado em uma comparação entre os seis corredores com o maior desvio (12,5 graus em média) e os seis corredores com o menor desvio (6,2 graus em média), calculada a média de todas as três corridas. É uma dica intrigante de que a ideia de um caminho de movimento habitual corresponde a efeitos biomecânicos reais.

Fica ainda mais interessante quando você analisa as três tentativas na esteira. Um usava tênis neutros padrão, o Brooks Launch ou o Brooks Glycerin. Outro era um lançamento com pequenos tubos de plástico cravados na sola intermediária para tornar o lado interno do tênis mais rígido. O terceiro foi em um lançamento com tubos tornando a parte externa do tênis mais rígida. Veja como eram esses dois sapatos:


(Foto: Scientific Reports)

Ambos os tênis alterados devem alterar o caminho do movimento.Mas o que é melhor? Bem, isso depende.Três dos corredores tiveram seu menor desvio, que em teoria deveria ser a melhor escolha, com o tênis neutro inalterado.Dois deles se saíram melhor com a entressola externa rígida, enquanto sete se saíram melhor com a entressola interna rígida.Olhando da perspectiva oposta, seis corredores tiveram seu maior desvio (ou seja, a pior escolha) no tênis neutro, enquanto três cada um teve pior desempenho nos outros dois tênis.Não há um padrão aparente: todo mundo reage de maneira diferente.

Mas as mudanças de ângulo correspondem a cargas mais leves no joelho? Mais uma vez, os resultados foram encorajadores. Ao comparar o tênis de maior desvio de cada corredor com seu tênis de menor desvio, o de desvio alto produziu compressão de cartilagem significativamente maior na área tibial medial da articulação do joelho. Bingo: evidência de que você deve escolher um tênis que minimize o desvio de seu caminho habitual de movimento.

OK, essa é a leitura otimista desses resultados.O primeiro grande conjunto de advertências a observar é que este é um estudo muito pequeno com um grande número de medidas de resultados potenciais, nenhuma das quais é "Este corredor se lesionou?" Assumir que as mudanças nas variáveis biomecânicas levariam a resultados do mundo real, como redução do risco de lesões, é precisamente o que levou a indústria de tênis de corrida no caminho da pronação. Portanto, esta é, na melhor das hipóteses, uma prova inicial de princípio, não uma resposta final.

Também há uma questão prática. Se o caminho de movimento habitual é o caminho a percorrer, como é o processo prático de experimentação de tênis na loja? Brooks adotou a ideia, apelidando-a de Run Signature, e montou 30 lojas especializadas em corrida ao redor do mundo com um aplicativo para tablet que permite ao vendedor estimar sua trajetória de movimento habitual e ver o quanto ela muda em diferentes calçados. Mas quando perguntei a Trudeau, um biomecânico por formação que comanda a equipe de conceitos do futuro da Brooks Running, ele não se comprometeu com o sistema de tablets: "O cientista em mim está hesitante", disse ele.

Mesmo no laboratório, medir os ângulos das articulações corretamente é complicado. Geralmente envolve afixar um monte de marcadores no corredor, às vezes fazendo furos em seus tênis e roupas e usando uma grande variedade de câmeras cuidadosamente colocadas. Obter precisão suficiente com um tablet é uma grande tarefa, então Trudeau está mais interessado nas perspectivas futuras da tecnologia de análise de marcha sem marcador. Mas ele também é cauteloso por razões mais profundas. Estimar a trajetória de movimento habitual com um meio agachamento é "uma boa primeira tentativa", diz ele. Mas pode haver maneiras melhores de monitorar o movimento das articulações em uma ampla variedade de tarefas comuns, como subir escadas, levantar-se de uma cadeira e assim por diante, talvez usando sensores vestíveis para obter uma imagem mais holística de como suas articulações preferem se mover.

E a maior questão de todas é se os tênis realmente importam. O próprio Nigg argumentou que 80% das lesões por corrida são causadas pelo que ele chama de erros de treinamento: muito volume, muito cedo, basicamente. Deixando o número específico de lado, acho que esse sentimento é amplamente verdadeiro. Trudeau também não discorda. Ele acha que os tênis são provavelmente apenas um pequeno fator nas lesões de corrida. Entretanto, acrescenta, eles são um fator que podemos controlar. Portanto, aconteça o que acontecer com essa ideia, é importante não exagerar. Mesmo um tênis que corresponda perfeitamente à sua trajetória de movimento habitual não o tornará invencível.

Ainda assim, por mais preliminares que sejam esses resultados, acho-os realmente interessantes. Talvez seja porque quase todos nós usamos tênis, então precisamos de algum método além da cor e marca para escolher entre eles. De acordo com Trudeau, até o próprio Nigg vê a ideia do filtro de conforto como "uma muleta até que possamos descobrir como usar a biomecânica". É bom saber que há algum progresso na biomecânica e a perspectiva de mais por vir. Enquanto isso, acho que vou ficar com tênis confortáveis.
Traduzido do site OutSideOnLine.com

Fonte: OutSideOnLine.com (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: tênis

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho