Parceiros
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

A diferença entre percepção de dor e de esforço
Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

segunda-feira, 10 de agosto de 2020 - 11:27
runner effortImagine sair para uma corrida fácil, mas com uma sensação em suas pernas magicamente alterada para que elas queimem com a dor que você normalmente só sentiria em um ritmo muito mais rápido. Nada mais é afetado: sua frequência cardíaca permanece baixa, sua respiração é tranquila e sua mente está aguçada. Como isso afetaria sua capacidade de continuar? Você seria capaz de continuar o máximo de tempo possível ou a dor o obrigaria a parar cedo?

Essa é a questão básica colocada em um novo estudo do European Journal of Applied Physiology, do grupo de pesquisa de Alexis Mauger na University of Kent, na Grã-Bretanha. Ele induziu dor intensa na coxa usando uma injeção de solução salina hipertônica (água mais salgada que o sangue) e testou a resistência dos músculos das pernas de seus pacientes. O resultado básico pode parecer óbvio: os sujeitos param mais cedo quando sentem mais dor. Mas a pergunta interessante (e a resposta não é tão óbvia quanto parece) é: Por que?

Durante muito tempo, não pensei muito no vocabulário usado para descrever como é o cerne de uma prova ou treino difícil. É difícil, doloroso e cansativo; você está se afogando em ácido ou pegando carona em um urso ou (meu preferido) "ajustando-se" (ajustando-se sendo a forma verbal não oficial de rigor mortis). Mas essas palavras não significam a mesma coisa. Você realmente para porque dói demais? Ou há algo mais que o torna incapaz, ou pelo menos não o deixa disposto a continuar?

São águas profundas e perguntas difíceis. Quando comecei a pensar nelas, achei-as tão interessantes que acabei escrevendo um sobre elas alguns anos atrás. Mas uma distinção muito mais clara para mim agora é a diferença entre esforço, que os pesquisadores às vezes definem como "a luta para continuar contra um desejo crescente de parar" e dor, que, no contexto do exercício, podemos definir como a sensação consciente de dor e queimação nos músculos ativos".

Em 2015, vi uma apresentação em conferência de um pesquisador chamado Walter Staiano que contrastou essas duas sensações. Os dados que ele apresentou naquele dia foram publicados em 2018 na Progress in Brain Research. Em um experimento, ele e seus colegas pediram aos voluntários que mergulhassem as mãos na água gelada até que não pudessem mais tolerá-la, avaliando sua dor em uma escala de zero a dez a cada 30 segundos. Como seria de esperar, as classificações de dor aumentaram constantemente até chegarem ao valor máximo (atingindo um pico de 9, 7, em média), altura em que os voluntários desistiram. No teste de água gelada, a dor é o fator limitante.

Então, com essa experiência de como é a dor no "dez de dez", eles realizaram um teste de ciclismo até a exaustão, avaliando sua dor e sua sensação de esforço (na escala de Borg, que varia de 6 a 20) uma vez por minuto. Como o estudo explica, "os participantes foram instruídos a não misturar suas classificações da sensação consciente de quão duro estavam movendo as pernas (um componente importante da percepção geral do esforço durante o ciclismo) com a sensação consciente de dor e queimação na perna músculos (dores musculares)".

Qual é o fator limitante? À medida em que o teste de ciclismo progredia, tanto a dor quanto o esforço flutuavam constantemente para cima. Em média, no momento em que os sujeitos desistiram, sua classificação da dor foi de 5, 0 em 10. Isso corresponde à dor "forte", mas ainda está muito longe dos valores quase máximos que eles experimentaram no teste de água gelada. O esforço, por outro lado, chegou a 19, 6 dos 20, em média. É tentador concluir que os sujeitos desistiram porque seu esforço foi maximizado.

Aqui está a aparência dos dados do teste de ciclismo. As classificações de dor (RPU), mostradas no eixo esquerdo, são desenhadas com círculos e uma linha sólida. As classificações de esforço (EPR), mostradas no eixo direito, são desenhadas com triângulos e uma linha tracejada. O eixo horizontal mostra a passagem do tempo, escalada até o ponto final em que cada sujeito desistiu.


(Ilustração: Progresso na pesquisa do cérebro)

Com base nesse experimento e em outros semelhantes, fui levado à visão de que sua percepção subjetiva do esforço é mais importante do que a dor ao ditar seus limites. Isso não significa que a dor é irrelevante. Não há dúvida de que o exercício físico dói, e essa dor pode influenciar indiretamente seu desempenho. Por exemplo, Staiano e seus colegas sugerem que lidar com a dor exige controle inibitório, um processo cognitivo que pode cansar seu cérebro de maneiras que aumentam a percepção do esforço. Nesta visão, você não desiste porque a dor se torna intolerável, mas a dor é um dos vários fatores que levam seu esforço aos seus limites toleráveis.

Nem todo mundo concorda, no entanto. Mauger, ex-colega de Staiano na Universidade de Kent (desde então Staiano se mudou para a Universidade de Valência, na Espanha), publicou vários estudos nos últimos anos explorando a ideia de que a própria dor pode ser um fator limitante na resistência. O principal objetivo de seu novo estudo era estabelecer um protocolo que lhe permitisse modificar a dor, mantendo outros fatores como a intensidade do exercício constante. Você não pode simplesmente pedir que os participantes se exercitem enquanto os cutuca com palitos ou eles mergulham as mãos em água gelada, porque não é assim que sentimos dor durante o exercício.

A boa notícia é que as injeções salinas hipertônicas parecem funcionar. O protocolo de exercícios no estudo foi uma extensão isométrica do joelho, que basicamente envolve a tentativa de estender o joelho contra uma carga imóvel. Comparando uma resistência pesada (20% do torque máximo) a uma resistência leve (10%), com a adição da injeção de solução salina, seus 18 indivíduos não conseguiram detectar nenhuma diferença qualitativa na dor que experimentaram. A injeção fez com que a carga leve doesse da mesma maneira que a carga pesada. Isso abre as portas para alguns experimentos futuros interessantes, nos quais os pesquisadores alteram a dor sem alterar outros parâmetros fisiológicos, esperançosamente em atividades realistas como andar de bicicleta e correr.

Por enquanto, os pesquisadores compararam três variações diferentes do teste de extensão do joelho, com indivíduos pressionando uma carga de 10% até que não pudessem mais sustentá-la, o que normalmente levava menos de dez minutos: uma vez sem injeção (mostrado abaixo com círculos abertos), uma vez com a injeção dolorosa de solução salina hipertônica (triângulos) e uma vez com uma injeção placebo de solução salina mais fraca que não causava dor (círculos fechados).

O gráfico da dor é bastante direto. Os sujeitos relatam dor mais alta desde o início do teste, e ela permanece alta. Geralmente, todo mundo atinge um valor quase máximo de dor antes de desistir, mas o grupo salina hipertônica atinge o limite mais rapidamente (448 segundos, em média), provavelmente porque começou com um valor mais alto. Em comparação, durou 605 segundos com a injeção de placebo e 514 segundos sem injeção.

(Ilustração: European Journal of Applied Physiology)

Do ponto de vista de Mauger, isso parece uma evidência, mostrando que "a dor muscular tem um impacto direto no desempenho da resistência". A teoria é que o sal na injeção provoca retorno através de certas fibras nervosas conhecidas como aferentes do grupo III / IV - os mesmos nervos desencadeados por metabólitos como o lactato durante exercícios físicos. É por isso que a sensação de dor imita a sensação de exercício mais difícil. Eventualmente, chega a um ponto em que a dor se torna intolerável e você para ou desacelera.

Mas como conciliamos os resultados de Mauger com os de Staiano? Os sujeitos de Mauger desistiram apenas quando a dor era máxima. Os pacientes de Staiano desistiram quando a dor era apenas cinco em dez. Suspeito que isso tenha muito a ver com a escolha do protocolo de exercícios. Os pacientes de Mauger estavam sentados em uma cadeira, tentando estender a perna direita. Eles não estavam sem fôlego ou mesmo em movimento. Assim como no desafio da água gelada, não é difícil acreditar que a dor foi uma das sensações dominantes que eles sentiram. Os sujeitos de Staiano, por outro lado, estavam pedalando, com todos os outros sentimentos e sensações que isso implica. A maior parte do que fazemos na vida real parece mais ciclismo do que estender as pernas ou desafiar a água gelada.

Também vale a pena dar uma olhada em como os pacientes de Mauger avaliaram sua percepção de esforço. Ele não passa muito tempo discutindo isso, além de observar que não houve diferenças significativas na percepção do esforço entre os grupos a qualquer momento. Isso parece um golpe na sugestão de Staiano de que a dor pode influenciar a resistência aumentando a percepção do esforço. Mas dê uma olhada nos dados reais para a percepção do esforço (EPR, em uma escala de 6 a 20):


(Ilustração: European Journal of Applied Physiology)

Como esperado, a sensação de esforço aumenta constantemente ao longo do teste. E embora não haja diferença estatisticamente significante, certamente parece que o grupo salina hipertônica (os triângulos) tem classificações de esforço mais altas ao longo do teste. Na exaustão, os sujeitos estão em torno de 19 na escala de esforço, o que é bastante próximo do máximo. Os dados deste estudo não são suficientemente detalhados para responder à pergunta de uma maneira ou de outra, mas, na minha opinião, não descarta a teoria de que a dor é importante principalmente porque altera seu senso de esforço.

Se, nesse ponto, você tem a sensação de que estamos tentando saber quantos anjos podem dançar na cabeça de um alfinete, isso é compreensível. Algo nos faz desacelerar, se chamamos de esforço ou dor. Mas, para mim, culpar a dor pela minha incapacidade de correr mais rápido nunca pareceu muito certo. Claro, muitas vezes deixei que a fadiga me tornasse um covarde, mas também houve momentos em que eu ignorei a dor com sucesso e, no entanto, ainda acabei encontrando a sensação de que não podia ir mais rápido. Então, por enquanto, permaneço no campo de Staiano, só porque é assim que prefiro me lembrar dos meus dias de glória.
Traduzido do site OutsideOnline.com

Fonte: OutSideOnLine.com (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: dor, esforço

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho