Parceiros
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Defina mais de um objetivo para provas e treinos
Telegram Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021 - 13:58
runnerQuem não sentiu os primeiros sinais de cansaço em uma prova e sentiu um pouco de pânico e dúvida na sua capacidade de manter o ritmo e atingir seus objetivos? De repente, em vez de se sentir confiante e focado em enfrentar o desafio, você começa a dar desculpas para explicar o mau desempenho: o sol está muito quente, o vento está muito forte, seu estômago está doendo, aquele tendão doendo ou simplesmente hoje não é seu dia. E, assim que você começa a trilhar esse caminho mental, muitas vezes hoje não será seu dia, e você transforma seus medos em verdade, fracassando.

Muitos treinadores recomendam que os corredores estabeleçam vários objetivos durante uma prova ou treino pesado para levar em conta as variáveis nas condições e como o corpo responde. Frequentemente, isso inclui uma meta ideal, um sonho que só acontecerá se tudo correr perfeitamente, uma meta realista, baseada no treinamento atual, que você pode atingir mesmo que não esteja se sentindo 100 por cento e uma meta alternativa que você ainda possa se sentir bem mantendo, mesmo em um dia difícil. Múltiplos objetivos ajudam você a avaliar o desempenho no mundo real, onde as estrelas raramente se alinham, e comemorar grandes esforços, mesmo quando não são recordes pessoais ou vitórias.

Como competidor e treinador, no entanto, também descobri vários objetivos importantes para os corredores durante uma prova ou treino, para ajudar a manter o foco, evitar desistir e tornar mais provável alcançar os objetivos ideais.

As experiências de pico geralmente ocorrem quando enfrentamos um desafio que é equilibrado com nossa capacidade de enfrentá-lo. Isso está no cerne da Teoria de Flow popularizada pelo psicólogo Mihaly Csikszentmihalyi. Diante de uma tarefa muito difícil, ficamos ansiosos e oprimidos, recuando mentalmente para nos defender. Daí todas aquelas desculpas no meio da prova. Com muito pouco desafio, no entanto, ficamos entediados e nossas mentes se distanciam da tarefa. Podemos começar a pensar na espectadora gata pela qual acabamos de passar e em como nos olhamos, ou começar a nos preocupar com as subidas na segunda metade do percurso, ou o trabalho que ainda temos que fazer antes da segunda-feira começa a nos incomodar. Com o equilíbrio certo, no entanto, a tarefa requer toda a nossa energia e exige nosso foco total, bloqueando todo o resto à medida que empregamos toda a nossa energia física e mental para desenvolver nossas habilidades para enfrentar o desafio. Essa imersão leva a um sucesso sem precedentes e grande satisfação.

A habilidade percebida encontra o desafio percebido

Csikszentmihalyi ressaltou, no entanto, que tanto os desafios que enfrentamos quanto as habilidades que possuímos são auto percebidos."Não são apenas os desafios 'reais' apresentados pela situação que contam, mas aqueles dos quais a pessoa tem consciência. Não são as habilidades que realmente temos que determinam como nos sentimos, mas aquelas que pensamos ter", escreveu ele em Flow: a psicologia da experiência ideal. Embora a habilidade seja basicamente física, nossa habilidade de alcançar e permanecer no Flow depende de nossa crença nessa habilidade. Quando perdemos a fé durante a agonia de uma prova, isso prejudica o equilíbrio entre desafio e habilidades.

Ter vários objetivos é uma forma de contrariar essa variabilidade na confiança. Se você tem apenas um objetivo ideal, isso define todo o escopo do desafio. Sempre que você sentir que não será capaz de atingir esse objetivo, ou seja, o desafio percebido excede sua habilidade percebida, você fica sobrecarregado, afrouxa o foco e começa a desistir, mesmo que ainda esteja no ritmo.

Ter dois ou três objetivos permite ajustar o desafio no meio da prova quando você começa a duvidar. Ao voltar para uma meta menos intimidante, você pode recuperar o equilíbrio entre as habilidades e o desafio e se concentrar em correr bem em vez de desistir - e descobrir como explicar o porquê. Frequentemente, descobri que depois de lidar com minha crise de confiança e afiar meu foco novamente, a meta realista ou mesmo ideal mais uma vez parecem alcançáveis e posso recorrer a habilidades as quais agora tenho confiança renovada para usar.

Quando se trata de provas de maratona ou maiores, acho útil adicionar um quarto objetivo, que chamo de Jackson Browne: "Se levar a noite toda, tudo bem". Em circunstâncias terríveis, o desafio fica reduzido a simplesmente terminar, então não importa o quão ruim fique, enquanto ainda estiver em movimento, vou enfrentar o desafio.

Observe que a crença em nossas habilidades e, correspondentemente, os objetivos baseados nessas habilidades, devem ser nossos, não de um amigo, nem mesmo de um treinador, não importa o quão bem-intencionadas ou informadas suas opiniões possam ser. E também é importante contar aos outros nossos múltiplos objetivos sinceros. Com muita frequência, dizemos apenas nosso objetivo ideal, pois é simples e é o que idealmente esperamos como resultado. Porém, encontramo-nos presos por ele e começamos a dar desculpas antes mesmo do início da prova.

Múltiplos objetivos também são úteis durante os treinos. Com menos consequências para o fracasso, descobri que muitas vezes posso apenas definir um escopo mais estreito e aceitável para os intervalos, essencialmente dois objetivos em vez de três. O intervalo fornece latitude suficiente para que eu ainda cumpra a meta quando minha parcial é 5 segundos mais lenta na quinta de oito repetições de 800 m, por exemplo. Ou mesmo que eu não diminua a velocidade, saber que posso e ainda estar ao alcance me dá confiança contínua na minha capacidade de ter sucesso, afastando a sensação de estar sobrecarregado e me mantendo no Flow mesmo quando a dificuldade aumenta durante o treino. Mas, ao contrário da prova, se estou realmente perdendo o ritmo realista, provavelmente preciso encerrar o dia.

Espiral Ascendente de Metas e Habilidade

Múltiplos objetivos, ou talvez mais precisamente objetivos "adaptáveis", também são necessários ao longo de uma temporada. Precisamos primeiro definir metas que correspondam às habilidades que temos agora. Se forem muito ambiciosas, obteremos apenas feedback negativo delas, além de um estado contínuo de ansiedade. À medida que ganhamos em habilidade, no entanto, temos que aumentar o desafio para encontrar Flow. Reconquistar desafios abaixo do limite de nossas habilidades pode ser confortável, mas levará ao tédio, não ao Flow.

Uma razão pela qual correr é tão satisfatório é que seus objetivos podem se ajustar fácil e continuamente conforme nossas habilidades melhoram. Não temos que encontrar um oponente melhor ou uma montanha mais alta, podemos simplesmente ajustar nossos tempos para nossa nova realidade. E correr bem não tem limites de dificuldade ou de quanto esforço podemos despender nisso. O que é bom, como diz Csikszentmihalyi, "A qualidade da experiência tende a melhorar na proporção do esforço investido nela". Uma vida inteira de Flow resulta em uma espiral ascendente, onde desafios crescentes levam a habilidades mais fortes, que por sua vez inspiram desafios maiores.
Traduzido do site PodiumRunner.com

Fonte: PodiumRunner.com (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: prova, objetivo

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho