Parceiros
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Veja dados de laboratório dos corredores do Nike's Breaking2
Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

segunda-feira, 16 de novembro de 2020 - 09:17
nike breaking 2Esta é uma maneira rápida e conveniente de descobrir se você está pronto para correr uma maratona em duas horas. Vá para a pista e corra seis voltas (cerca de 2,4 km) em ritmo de duas horas (02:51'/km), depois corra mais uma volta o mais rápido que puder. Peça a um fisiologista do exercício próximo a você que coloque uma máscara portátil de medição de oxigênio para medir seu consumo de energia nesse ritmo. Em seguida, analise os dados para ver se seu metabolismo está se acomodando em um padrão sustentável ou se está saindo do controle em direção a uma explosão ardente.

Esse é um dos vários testes pelos quais pelo menos 16 corredores de elite passaram durante o processo de seleção para a corrida Breaking2 da Nike em 2017, que Eliud Kipchoge acabou realizando em 2:00:25. Agora, os cientistas responsáveis, incluindo equipes do grupo de Andrew Jones na Universidade de Exeter, na Grã-Bretanha, e do Nike Sport Research Lab em Beaverton, publicaram alguns dos dados no Journal of Applied Physiology. Os dados são agrupados e anônimos, então não ficamos obcecados com os detalhes individuais da fisiologia de Eliud Kipchoge, mas é uma janela bastante rara para as características dos melhores dos melhores corredores. Aqui estão alguns dos destaques.

Os corredores eram "predominantemente de etnia da África Oriental", com melhores médias de 1:00:04 para a meia maratona e 2:08:40 para a maratona no momento do teste (desde então correram, em média, 59:53 e 2:06:53). Todos foram selecionados a partir do grupo global de corredores patrocinados pela Nike, com um foco particular naqueles com tempos de meia maratona que sugeriam a habilidade de controlar o ritmo de duas horas. Os únicos corredores que sabemos com certeza estavam entre os participantes são Kipchoge e seus companheiros finalistas de Breaking2, Zersenay Tadese e Lelisa Desisa. A inclusão de corredores como Tadese, que na época detinha o recorde mundial da meia maratona de 58:23, mas só correra 2:10:41 na maratona, ajuda a explicar o tempo médio relativamente modesto da maratona.

O teste, que foi concluído no campus da Nike ou na Universidade de Exeter, incluiu um monte de medidas corporais como altura, peso, gordura corporal, função pulmonar e comprimento e circunferência de várias partes da perna e do pé. Isso é interessante, pois alguns pesquisadores acreditam que fatores como o comprimento do tendão de Aquiles podem influenciar a economia de corrida, mas não houve resultados incomuns. Testes biomecânicos de dez dos corredores examinados em Exeter descobriram que seis aterrissavam com o ante pé e quatro com o calcanhar, e os corredores mais eficientes tinham o menor tempo de contato com o solo em cada passo. Novamente, isso é mais ou menos o que você esperaria com base em estudos anteriores de corredores de elite.

Eles também fizeram um teste de VO2 máximo na esteira, com a velocidade aumentada em etapas até a desistência dos corredores. Entre cada estágio da esteira, os corredores saíam da esteira brevemente para terem seus dedos picados para uma medição de lactato para determinar seu limiar. Aqui houve mais alguns resultados surpreendentes. O VO2 máximo médio foi de apenas 71,0 ml/kg/min, o que é inesperadamente baixo, dado que a faixa esperada para atletas de resistência de elite é tipicamente cerca de 70 a 85. O valor mais baixo entre os corredores da Nike foi 62, que é surpreendentemente baixo, e o maior foi 84, que é alto, mas está longe de ser sem precedentes. Você pode pensar no VO2 máximo como o tamanho do motor aeróbio. Quaisquer que fossem os dons que tornavam esses corredores especiais, um deles aparentemente não era ter um motor enorme.

Você esperaria, então, que eles sejam extraordinariamente eficientes. Sua economia de corrida, que é uma medida de quanta energia você queima em um determinado ritmo, foi realmente muito boa, com média de 189 ml/kg/km na esteira. Isso é consistente com estudos anteriores que encontraram valores típicos de cerca de 190 ml/kg/km em corredores de elite (e substancialmente melhores do que os valores de 210 ou mais vistos em corredores recreativos em ritmos mais lentos), embora houvesse muita variação individual entre o mais e o menos econômico. Como em estudos anteriores, houve uma relação inversa entre o VO2 máximo e a economia de corrida: aqueles com o maior VO2 máximo tenderam a ter a pior economia e vice-versa. Se isso é inevitável por alguma razão fisiológica ou simplesmente um reflexo do fato de que mesmo os corredores de elite provavelmente não acertam a loteria genética duas vezes, continua sendo um tópico de intenso debate.

Para medir a economia de corrida, você deve estar correndo aerobiamente, uma vez que o consumo de oxigênio é usado como um representante do consumo de energia. Se você está tendo que queimar muita energia anaeróbica para manter o ritmo, a estimativa de energia será imprecisa. Curiosamente, apenas sete dos 16 corredores foram capazes de cumprir esse requisito enquanto corriam em ritmo de maratona em 2:00. Os outros nove estavam acima de sua "velocidade crítica" naquele ritmo, o que diz a você de imediato que eles não tinham nenhuma esperança de correr uma maratona de duas horas. (Para ser justo, o teste teve que ser dividido entre as temporadas para alguns dos corredores, então eles podiam não estar em condições de pico).

No modelo matemático clássico de desempenho em maratona, há três variáveis: VO2 máximo, economia de corrida e uma terceira variável que representa a fração de VO2 máximo que você é capaz de sustentar ao longo de uma maratona. Essa terceira variável costuma ser aproximada pelo limiar de lactato, que é a velocidade com que seus níveis de lactato começam a aumentar gradualmente conforme você começa a depender mais da energia anaeróbica.

Mas os corredores de maratona bem treinados são realmente capazes de correr a distância em uma velocidade um pouco maior do que seu limite de lactato. Neste estudo, os corredores atingiram seu limite de lactato em 83 por cento do VO2 máximo em média. Sua velocidade crítica, que é aproximadamente quando os níveis de lactato começam a disparar mais abruptamente em vez de apenas aumentar, ocorreu a 92 por cento do VO2 máximo. O ritmo da maratona tende a estar em algum lugar entre esses dois marcadores. Na verdade, um estudo anterior de Jones e Anni Vanhatalo descobriu que maratonistas de elite tendem a correr suas maratonas a 96% da velocidade crítica, o que, neste caso, chega a 88% do VO2 máximo.

Se você for olhar os números, o uso do limiar de lactato como ritmo da maratona prevê que os corredores do estudo devem ter uma média de 2:15:24. Usar a velocidade crítica prevê 2:02:55. Usando o valor de 88 por cento do VO2 máximo, em contraste, tem-se uma previsão de 2:08:31, ou seja, quase exatamente correspondendo ao seu melhor tempo médio no momento do teste, que era 2:08:40. Conclusão: sua velocidade crítica (que você pode calcular conforme descrito aqui) oferece uma estimativa muito boa do ritmo da maratona, supondo que seu treinamento seja adequado para a distância.

Depois de todos esses testes, a equipe selecionou Kipchoge, Desisa e Tadese. Kipchoge acabou sendo uma ótima escolha. Desisa era uma incógnita: ele se lesionou antes do Breaking2 e não correu muito rápido desde então, mas ganhou o Campeonato Mundial do ano passado, venceu em Nova York em 2018 e foi o segundo em Boston em 2019. Muito bom. Tadese, por outro lado, nunca conseguiu realmente se encaixar na maratona, apesar dos valores laboratoriais estelares (em testes anteriores, ele teve a melhor economia de corrida já medida).

O que estava faltando para Tadese? Jones e seus colegas sugerem que o modelo matemático precisa de uma quarta variável, que eles chamam de "resistência à fadiga", que representa "a extensão da deterioração das três [outras variáveis] ao longo do tempo". Um estudo anterior dos pesquisadores do Breaking2 explorou como a velocidade crítica muda ao longo de duas horas de exercício. A essência: fica pior e algumas pessoas apresentam um declínio maior do que outras. Talvez Kipchoge seja extraordinariamente talentoso nesse aspecto. Talvez Tadese não tenha sido tão agraciado com esse dom. Parece claro que a resistência à fadiga é um ingrediente importante para o sucesso da prova, mas o problema para os cientistas da corrida é que não há uma maneira conveniente de medi-la. A não ser, bem, correr uma maratona.
Traduzido do site OutSideOnLine.com

Fonte: OutSideOnLine.com (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: maratona, vo2 máximo

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho