Parceiros
[X] Fechar

Já conhece a NewsLetter do CoelhoDePrograma? Clique aqui e assine!

Só demora 30 segundos para se cadastrar e você recebe nossas notícias por email!

[X] Fechar

Seu nome:

Seu email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Atletas de resistência sentem menos dor?
Whats Email Mapa de imagens. Clique em cada uma das imagens

segunda-feira, 26 de outubro de 2020 - 09:57
runner sufferingHá alguns anos atrás, enquanto pesquisava para um livro sobre resistência, entrevistei um cientista alemão chamado Wolfgang Freund, que havia recentemente concluído um estudo sobre a tolerância à dor em ultramaratonistas. Os participantes do estudo tiveram que manter as mãos em água gelada pelo maior tempo possível. O grupo de controle não-atleta aguentou em média 96 segundos antes de desistir. Cada um dos corredores, diferentemente, chegou ao corte de segurança de três minutos, ponto no qual eles classificaram a dor como meros 6 de 10 em média.

Os resultados foram consistentes com pesquisas anteriores, mostrando que os atletas podem tolerar mais dor do que os não atletas. Mas nem todos os esportes impõem as mesmas exigências, Freund destacou: "Maradona, pelo menos, tinha a ilusão de que um jogador de futebol brilhante não precisava sofrer". Como corredor, gostei da implicação de que atletas de resistência são excepcionalmente fortes, então, felizmente, incluí essa citação em meu livro. Mas é mesmo verdade?

Por acaso, pesquisadores da Universidade de Tromso, na Noruega, abordaram exatamente essa questão, junto com várias outras interessantes, em um estudo recente na Frontiers in Psychology. Eles compararam 17 jogadores de futebol de nível nacional com 15 atletas de resistência de elite (esquiadores e corredores, também "competindo no mais alto nível nacional na Noruega") e 39 não-atletas no grupo controle em três testes de dor. Eles também aplicaram uma série de questionários psicológicos para explorar quais características estão associadas a uma maior tolerância à dor.

O primeiro teste de dor foi o mesmo usado no estudo de Freund: mergulhar a mão em água quase congelada pelo maior tempo possível, novamente com um corte de três minutos, embora os sujeitos não tenham sido informados sobre isso com antecedência. Em média, os atletas de resistência aguentaram 179,67 segundos, o que significa que praticamente todos eles chegaram aos três minutos, com exceção de uma pessoa que parou cinco segundos antes. O grupo de controle teve em média 116,78 segundos, e os brilhantes jogadores de futebol, apenas 113,90 segundos.

Isso era exatamente o que os pesquisadores esperavam. Afinal, abraçar o desconforto ilimitado é exatamente o que os atletas de resistência fazem todos os dias no treinamento, então faz sentido que eles tenham uma alta tolerância à dor. Mas o limiar da dor, ou seja, o ponto em que uma sensação vai de desagradável a dolorosa, pode ser diferente. Os jogadores de futebol, como outros atletas de esportes coletivos, experimentam picos mais curtos de dor associados a "ataques curtos de intensidade supramáxima e recebendo golpes de adversários ou da bola", apontam os pesquisadores. Como resultado, eles levantaram a hipótese de que a experiência dessa dor mais intensa daria aos jogadores de futebol um limiar de dor maior do que os atletas de resistência.

Para testar o limiar da dor, eles aplicaram uma placa de alumínio aquecida no antebraço interno dos indivíduos, começando em 32 graus e aumentando lentamente até um máximo de 52 graus. Os sujeitos tiveram que apertar um botão quando a sensação mudou de calor para dor, e esse processo foi repetido cinco vezes. Desta vez, ao contrário de suas hipóteses, os valores dos jogadores de futebol e atletas de resistência eram essencialmente os mesmos, a 117,7 e 118,2 graus, e ambos eram significativamente mais elevados do que os não atletas: 115,8 graus. Esses números são do primeiro teste. Quando o teste foi repetido uma segunda vez, os números eram ligeiramente maiores, mas o padrão era o mesmo.

O terceiro teste analisou ainda outro aspecto da resposta à dor, a sensibilidade à dor. Embora a dor seja fundamentalmente uma experiência subjetiva, a sensibilidade à dor tenta quantificar a intensidade com que você sente um determinado estímulo. Está obviamente relacionado ao limiar e à tolerância, mas não é idêntico. Uma pessoa pode sentir dor muito intensamente, mas mesmo assim estar disposta a tolerá-la por mais tempo do que outra pessoa que a sente com menos intensidade. Para medir a sensibilidade, a temperatura da placa de alumínio aquecida foi aumentada para 48 graus por 30 segundos e os participantes tiveram que classificar sua dor em uma escala de 0 a 100. Os pesquisadores não esperavam nenhuma diferença entre os jogadores de futebol e os atletas de resistência. Em vez disso, os escores médios de dor para o primeiro teste foram 45,5 de 100 para os atletas de resistência, 51,9 para os jogadores de futebol e 59,4 para os não atletas. No segundo teste, as pontuações foram 37,9, 45,4 e 53,7.

Existem duas grandes questões aqui. Uma é por que os três grupos têm percepções diferentes da dor. A outra é se os atletas nasceram com essas diferenças ou se as adquiriram como resultado de seus treinamentos. A opinião mais amplamente aceita é que as grandes diferenças são psicológicas, em oposição a algum tipo de entorpecimento fisiológico dos sensores de dor. Neste estudo, os pesquisadores avaliaram os "Cinco Grandes" traços psicológicos dos sujeitos (abertura, consciência, extroversão, afabilidade e propensão a sentimentos negativos) e deram questionários separados para avaliar coragem e medo da dor.

Os resultados são um pouco complicados, visto que existem sete traços psicológicos, três grupos e três resultados de percepção da dor. Tanto a coragem quanto a consciência tiveram um pouco de poder preditivo em alguns resultados, o que não é surpreendente, já que alguns críticos argumentam que a coragem é basicamente uma reformulação extravagante do antigo conceito de consciência. A única característica psicológica que previu todos os três resultados foi o medo da dor, o que faz sentido. Mas não houve diferenças estatisticamente significativas entre os três grupos em seus escores médios de medo da dor, embora o grupo de resistência parecesse ter pontuações ligeiramente melhores (isto é, menos medo). Isso significa que não pode ser o principal motivo para os três grupos terem pontuações diferentes nos testes de dor.

Quanto à segunda pergunta sobre natureza versus criação, este estudo não pode responder. Houve algumas dicas em estudos anteriores de que a tolerância à dor é uma característica treinável e que o treinamento de resistência é uma forma de aumentá-la. Por outro lado, ficaria surpreso se não houvesse algum elemento de atletas sendo "escolhidos por seu esporte" em parte com base em atributos psicológicos pré-existentes, como disposição para sofrer. O novo estudo adiciona o medo da dor à lista de atributos psicológicos relevantes, ao lado de outros de pesquisas anteriores, como tendência para esperar pelo pior (mau) e capacidade de ignorar sentimentos negativos (bom).

Parece-me improvável que encontremos um truque mental inteligente que distinga os insaciáveis da dor dos que evitam a dor. Em vez disso, os atletas de sucesso provavelmente têm uma série de diferentes táticas mentais para lidar com diferentes tipos de desconforto em diferentes contextos. Descrever as melhores estratégias é um ótimo tópico para pesquisas futuras. Mas, para ser honesto, é tudo uma digressão do ponto principal que eu queria enfatizar neste artigo, ou seja, que Wolfgang Freund estava certo.
Traduzido do site OutSideOnLine.com

Fonte: OutSideOnLine.com (traduzido por CoelhoDePrograma)

Leia mais sobre: dor

Assine a NewsLetter do CoelhoDePrograma e não perca mais nenhum artigo!

Gostou da matéria? Comente logo abaixo! mrgreen

Copyright - Marcelo Coelho